Últimas Notícias

Mais uma fuga foi registrada na Cadeia Pública de Santa Quitéria. O fato aconteceu na manhã desta quinta (20), quando quatro detentos conseguiram fugir do local.
Os fugitivos foram identificados como Francisco Gladstone de Sousa Moraes, Leonardo Saraiva de Mesquita, Antônio Vandir Araújo de Sousa e Tomé Ferreira Freire.
Até o fechamento desta matéria, a Polícia Militar permanecia em diligências no sentido de recapturar o quarteto.

Um homem foi morto a tiros na tarde desta quinta-feira (20) em seu local de trabalho, na cidade de Varjota.
Josué Amaral Ferreira, 25, estava em um lava-jato, no centro da cidade, quando foi surpreendido por dois indivíduos em uma moto que efetuaram vários disparos contra a vítima, vindo a óbito no local.
Segundo informações da Polícia Militar, foram cerca de quatro tiros, a maioria na região da cabeça.
De acordo com a família, ele seria usuário de drogas e no dia anterior ao crime, teria sofrido ameaças de morte.
A Polícia Militar realizou diligências e conseguiu localizar dois suspeitos, que foram levados para a Delegacia de Polícia Civil, onde estão sendo investigados.
O corpo foi removido para o IML de Sobral.


Este é o terceiro homicídio somente no mês de setembro no município de Varjota. Na última segunda-feira (17), um homem foi morto a pauladas e no dia 1º, houve outro homicídio em um posto de combustíveis.

A explosão do carro-forte entre os municípios de Saboeiro e Jucás, na última quarta-feira (19), destruiu uma parte da casa da moradora Maria Robênia da Silva. A explosão do veículo foi tão intensa que pedaços caíram no teto de uma casa próxima. 
 
Maria Robênia conta que, assim que os suspeitos chegaram ao local, pediram para ela fechasse a porta e se encondesse porque era um assalto. A mulher, então, fechou a casa e ficou no quarto. 
 
"Fiquei com muito medo e ouvindo muito tiro e gritos. Eu consegui ficar abaixadinha e cheguei até o quarto. Veio a explosão depois não escutei mais nada. Depois vi tudo destruído", comentou Maria Robênia. Parte da sala da casa dela e do quarto foram atingidos, além do teto da residência.  
 
O carro-forte foi explodido na CE-282, por volta das 13h, numa localidade denominada de Felipe (entre Jucás e Saboeiro). A quadrilha estava em três carros, sendo dois deles um Onix e um Hyundai.Segundo o 10º Batalhão de Polícia Militar, não houve feridos na ação e equipes da Força Tática de Apoio estão procurando os suspeitos. 

TV Verdes Mares

O Ministério da Educação (MEC) vai transferir ainda hoje (20) R$ 8,5 milhões para a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), segundo informou o ministro da Educação, Rossieli Soares. Os recursos são um primeiro repasse do total de R$ 10 milhões prometidos pela pasta para as obras emergenciais no Museu Nacional, no Rio de Janeiro.
 
“Teremos mais um complemento para a segunda etapa, em acordo e conforme o programado”, garantiu Rossieli Soares, mas sem especificar a data para a próxima transferência. Segundo ele, o MEC recebeu ontem (19) a documentação que detalha os preços dos contratos que serão assinados pela instituição nessa primeira fase de reconstrução do museu. O documento era necessário para a liberação da verba.
 
Na terça-feira (18), a UFRJ selecionou, por chamada pública, a Concrejato Engenharia, empresa que participou da reconstrução do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, para realizar as obras emergenciais do Museu Nacional.
 
Reconstrução
 
Após o incêndio ocorrido no dia 2 de setembro, a reconstrução do Museu Nacional será feita em quatro etapas, incluindo a possibilidade de cessão de um terreno próximo ao local para que as atividades acadêmicas sejam mantidas.
 
A primeira etapa será dedicada à realização de intervenções emergenciais, como instalação de um toldo, escoramento de paredes, levantamento da estrutura, inventário do acervo e separação do que é possível encontrar nos escombros.
 
A segunda etapa depende da conclusão da perícia da Polícia Federal no local. Depois de realizada, será contratado um projeto básico e, com base nele, será implementado o projeto executivo da reconstrução do museu.
 
A terceira etapa é a da reconstrução. A ideia é usar a lei federal de incentivo à cultura, a Lei Rouanet. A quarta fase poderá ocorrer em paralelo com a obra de construção. É a de recomposição do acervo. O governo pretende fazer uma campanha internacional para a doação e aquisição de acervos para o Museu Nacional.

Agência Brasil

A Seguradora Líder, administradora do prêmio de seguro obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT), venceu a ação em que o Instituto de Defesa do Consumidor (IPEDC) solicitava a suspensão do prazo limite para o pagamento do Seguro no Ceará para 31 de janeiro de 2018.
Sendo assim, portadores de veículos que ainda não quitaram o documento precisam realizar o ato o quanto antes, no site da Líder (https://www.seguradoralider.com.br/Pages/Saiba-como-pagar.aspx) e emitir a guia de pagamento.
A orientação da Líder é de que o motorista não espere até o prazo de pagamento do licenciamento, estipulado pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE). Todavia, não serão aplicadas multas ou juros referentes ao não pagamento em janeiro. 
No começo desde ano, a seguradora antecipou o DPVAT para o mesmo prazo do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Sem informações prévias, a decisão provocou uma série de polêmicas onde o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) e o Instituto de Defesa do Consumidor (IPEDC) taxaram a decisão como abusiva. 
O Seguro tem caráter social que protege todas as vítimas de acidentes de trânsito no Brasil, seja motorista, passageiro ou pedestre, sem necessidade de apuração da culpa. Por isso é necessário a quitação do valor, para que ninguém fique descoberto pelo seguro.
O DPVAT garante três tipos de indenizações: Morte, com indenização de R$ 13.500,00; Invalidez Permanente, com indenização de até R$ 13.500,00; e Reembolso de Despesas Médicas e Hospitalares (DAMS) em até R$ 2.700,00.

Diário do Nordeste

Candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, não perdeu tempo para estancar o desgaste provocado por declarações polêmicas de dois de seus aliados, o general Hamilton Mourão (PRTB), seu vice, e Paulo Guedes, seu conselheiro na área econômica. Para isso, Bolsonaro determinou que Guedes e Mourão reduzam suas atividades eleitorais.
Nessa quarta-feira, 19, o perfil de Bolsonaro no Twitter teve de reiterar o compromisso com a redução da carga tributária após notícia de que Guedes estuda como proposta para eventual governo a criação de um imposto nos moldes da antiga CPMF, o que põe em xeque o discurso da campanha.
Declarações e a movimentação eleitoral do candidato a vice também constrangeram Bolsonaro e a cúpula da campanha nos últimos dias. Do quarto do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde se recupera do atentado a faca que sofreu, Bolsonaro acompanhou pelo noticiário Mourão defender uma Constituição elaborada por não eleitos e a ideia de que filhos criados por mães e avós, sem a presença do pai, correm mais risco de entrar para o tráfico.
Ao visitar Bolsonaro no hospital, nessa terça-feira, 18, o general da reserva ouviu uma determinação. O presidenciável pediu que o vice suspendesse a agenda de viagens. O candidato ao Planalto avaliou que a campanha entrou num momento decisivo e que não podia correr mais riscos, segundo relataram à reportagem do Jornal O Globo integrantes da equipe.
O general da reserva encurtou uma viagem ao interior de São Paulo, que iria até esta sexta-feira, 21, e cancelou um evento, no domingo, 23, em Porto Alegre. Ele ficará em sua casa no Rio para uma “reavaliação de discurso”, informou um assessor. Mourão pretende, ainda segundo a assessoria, descansar depois de 15 dias de viagens e eventos.
Somente no fim da manhã dessa quarta-feira o vice deu uma palestra na Faculdade de Direito de Bauru (SP), concedeu entrevista em uma estação local de TV e almoçou com um grupo de cerca de 40 empresários da região, líderes políticos e assessores.
Na campanha do PSL, a crítica recorrente é que, após a internação de Bolsonaro, Mourão foi para a “linha de frente” sem experiência política. O general da reserva, segundo um interlocutor da equipe, assumiu uma agenda de cabeça de chapa sendo candidato a vice. A avaliação interna é de que Mourão pôs em risco o favoritismo de Bolsonaro.

Estadão Conteúdo

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget