Ano IV – Edição online – www.avozdesantaquiteria.com.br – 2014

http://www.avozdesantaquiteria.com.br/p/anuncie-seus-produtos-ou-faca-suas.html

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Pra não dizer que não falamos da Mina de Itataia

http://1.bp.blogspot.com/-BhgcZ-mGxQQ/UbR5WDmYV_I/AAAAAAAAOVk/wrPIZ49z5o8/s1600/Itataia.png30/01/2014 - Recentemente o prefeito de Santa Quitéria, Fabiano Lobo (PMDB), publicou um artigo no portal A Voz de Santa Quitéria, intitulado: “Usina de Itataia – Quando este projeto sairá mesmo do papel?”. Em resposta ao que ele disse, o Projeto Santa Quitéria está baseado na instalação de um Complexo Mínero-industrial dedicado à exploração e beneficiamento do colofanito, que é o nome técnico do minério de fosfato associado ao urânio.
Pois bem, essa estrutura toda terá o investimento de 860 milhões de reais, como ele bem lembrou. Isso mesmo, quase 1 bilhão de reais!
O Prefeito esqueceu de dizer, porém que, descontado os riscos ambientais, sociais e econômicos dos pequenos comerciantes que serão abocanhados pelos grandes empresários, essa soma toda é uma pechincha perto do retorno esperado pelo consórcio INB/Galvani: até 1 bilhão por ano!
Isso mesmo! Em termos técnicos, somente no primeiro ano de exploração da Mina de Itataia, o consórcio terá recuperado o investimento. Daí em diante o dinheiro, bilhões e bilhões, irão compor os cofres dos empresários e do Governo.
E o desenvolvimento econômico e social?
O Consórcio, segundo cartilhas da empresa Galvani, promete gerar 800 postos de trabalhos diretos, divididos entre Itatira, Madalena, Caridade, Canindé e Santa Quitéria, e não 4 mil, como quis o prefeito. Além de melhorias na infraestrutura de abastecimento de água, energia elétrica, educação básica, acesso rodoviário, telefonia, etc., etc., parece o céu, mas tudo isso está realmente na cartilha distribuída durante a Feira do Comércio de Santa Quitéria.
Está na cartilha e no discurso de seus aguerridos marqueteiros, mas não está no retrato de Caetité, na Bahia, onde o mesmo empreendimento foi feito, e o que vemos lá, a partir de documentário exibido pelo Tramas e a Universidade Federal do Ceará, é uma cidade saqueada, perplexa, desapropriada e cheia de traumas.
O consórcio promete ainda gerar R$ 125 milhões/ano de ICMS (Imposto sobre circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços). Isso é quase o dobro do orçamento de Santa Quitéria para 2014. A pressa de Fabiano Lobo e dos governantes é justificável: ver o orçamento triplicar em 1 ano é sem dúvida um benefício difícil de contrargumentar, mas a mesma pressa não é feita no aumento de impostos para a classe média quiteriense e muito menos na irrigação de plantações de pequenos agricultores. Se bem usado esse valor, em poucos anos essa cidade será uma grande potência regional. Mas o fato, é que os caeteenses também ouviram esse discurso, e o que têm hoje é uma cidade com um PIB aquém do prometido.
Em termos comparativos, a atual Santa Quitéria e Caetité (BA), o IDH, Índice de Desenvolvimento Humano, que é uma medida que combina uma vida longa e saudável: Expectativa de vida ao nascer, acesso ao conhecimento: Anos Médios de Estudo e Anos Esperados de Escolaridade e um padrão de vida decente: PIB (PPC) per capita, Caetité apresenta índice de 0,625; e Santa Quitéria 0,642, como quanto mais próximo do 1,0 melhor, nosso município apresenta melhor desenvolvimento nessas áreas do que a Caetité depois de tantos milhões investidos.
Ora se Santa Quitéria cheia de contrastes e desigualdade tem melhor índice em vida longa e saudável, acesso ao conhecimento e padrão de vida decente, imagina Caetité? Talvez não por isso, o Consórcio Santa Quitéria tenha tanto medo de falar da Mina de Caetité.
Os setores oprimidos com a Mina de Itataia são os que moram nos piores bairros e nas mais longínquas comunidades, são também os que mais sofrem com a ausência de serviços públicos (saúde, educação, saneamento, transporte, etc.), os que ficam mais tempo desempregados ou subempregados, os que trabalham nas piores funções, os primeiros a serem demitidos nas crises e os últimos a serem contratados quando há crescimento, os que recebem os piores salários, etc., além de sofrerem com toda uma série de violências físicas e psicológicas, com a discriminação, o preconceito, perseguições, assédio político etc.
Em suma, o problema de Santa Quitéria não será resolvido com a Mina de Itataia. O problema é todo o sistema onde tudo está organizado na base do lucro e da supremacia do mais forte. O lucro do governo não é o lucro do povo. A mina trará riquezas e mazelas, mas nem sempre é dado a César o que é de César. E o problema de Santa Quitéria não perecerá aí, mas somente quando houver uma mudança revolucionária na forma de pensar a política, a história e a economia dessa cidade. 

Nacélio Rodrigues é técnico bancário da Caixa Econômica Federal, escritor socialista e estudante universitário. 

12 comentários:

  1. É isso mesmo. Os empregos serão para os habitantes de Itatira e Madalena, que estão bem próximos da mina. Pra Santa Quitéria, somente os impostos, digo somente porque os prefeitos irão com certeza surrupiar se não todo, a maior parte deste dinheiro e o povo vai ficar só na expectativa. O autor da matéria, apesar de ter escrito com conhecimento de causa, esqueceu ainda de dizer que lá em Caetité, não foi nem asfaltado o acesso à mina e hoje pouquíssimas pessoas trabalham, as máquinas fazem quase tudo e que ainda ninguém quer comprar os produtos agrícolas e da pecuária do município. Fato semelhante irá acontecer aqui também. E por último, Santa Quitéria tem um agravante, o fato de que a nascente do rio Groaíras é justamente lá na região da Mina de Itataia, e lembremos, o rio Groaíras é o que enche o açude Serrote, que abastece Santa Quitéria. Portanto não será muito difícil este ser contaminado com a radiação do urânio.
    A hora de protestar é agora. Xô mina de urânio, deixa como está. Progresso a este preço o povo não quer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!!! gostei.acho q esse aki perdeu a mamada!!!!!! ficou preoculpado agora.

      Excluir
  2. Caetité tenta se reerguer a passos lentos. Apesar do autor não se referir a questão ambiental. Foram muitos os estragos ao meio ambiente. Diversos programas ambientais e sociais estão em andamento para diminuir os impactos da extração. Há uma série de ações como a manutenção de um horto florestal com viveiro de mudas nativas e medicinais e reflorestamento.
    Uma área de 800 hectares está em fase de recomposição - a previsão é a de que sejam plantadas cinco milhões de mudas nativas da região. Além disso, os alunos de escolas da região participam de programas de educação ambiental, apoio a reciclagem e aproveitamento de materiais alternativos.

    ResponderExcluir
  3. Caetité é o retrato do que Sta Quitéria poderá se tornar. Querem nos convencer de que a exploração da jazida de Itataia trará benefícios, mas isso NÃO é verdade. Os malefícios são muitos, para conhece-los basta olhar para Caetité, que há muito tempo vem sofrendo. Lá a população não. tem água potável, pois a que lá existia foi contaminada ou cedida para os "exploradores". Haviam promessas que a população receberia água potável, mas isso não se concretizou.

    ResponderExcluir
  4. Tem razão, o problema econômico é tão ruim tanto o ambiental. E como bem foi dito, se IDH de SQ é maior do que o de Caetité e, olha como vivemos? Imagina só como devem viver esse povo lá. O que vai acontecer mesmo é a grande parte do dinheiro ser usado em benefício próprio dos empresários e dos governantes.

    ResponderExcluir
  5. interessante que antes eram contra essa mina e agora estao a favor da mina de itataia

    ResponderExcluir
  6. engraçado anos atráz todos queriam q a mina fosse explorar essa mina de itataia agora que sta praticamente certo todos estão contra. vai entender esse povo!!!!!! teve candidato que se eleigeu as custa dessa mina!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Caro Editor,
    Por que não exigir dos responsáveis da empresa que terá a exploração da mina, o adiantamento dos programas sociais, ambientais e capacitadores, para a comunidade de Santa Quitéria. Por que não exigir deles o detalhamento da separação dos minérios? Caso entre a água como elemento separador, pode pedir os responsáveis para construir o hospital e comprar os equipamentos de combate ao câncer de estomago, esófago e de todo o sistema digestivo. A água não terá chance de não se contaminar. Açude do Serrote, com certeza será a fonte de água que será usada para abastecer a mina. Neste caso avise também ao pessoal do Maracaraú de em especial de Sobral. Eles terão grande chance de serem contaminados pelo sistema que torna o Groaíras perene. Caitité não teve este problema de contaminar outra cidade grande. Aqui a cota é mais baixa. Caitite´so contamina caitité.

    ResponderExcluir
  8. Me impressionou bastante a leveza do discurso, ao mesmo tempo raivoso do texto. Nos ameaça de forma verdadeira e nos deixa perplexo. Tanto dinheiro pra quê? Pra quem?

    ResponderExcluir
  9. É, muita gente era a favor como eu, mas informação é pra isso mesmo, pra gente mudar de opinião se for o caso. Era a favor, agora como me informei mais, sou contra. E sou apenas um mero cidadão pagador de impostos. A internet tá aí gente, pra quem quer se informar mais sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  10. Sábia resposta e excelente aprendizado. Devemos todos os dias buscar nossos limites e tentar alarga-los cada vez mais. Quanto ao dinheiro, ele sempre é determinante quando trata-se de questões que buscam o trabalho para o desenvolvimento da sociedade. No caso da exploração da mina a decisão nunca deve passar pelo dinheiro que pode se investido, mas sempre deve-se sempre buscar a consequência final, que neste caso sempre vai ser deficitária, pelos males que trará a população no futuro. O problema maior deste setor é falta de segurança na exploração deste minério. Basta olharmos para os cientistas que mexeram com elementos radioativos para descobrir a causa morte de todos eles. Contra a radioatividade não temos segurança nenhuma que seja confiável. è como criança que mexe com o que está quieto. Ao final aparece o choro. Os argumentos econômicos sempre serão mais vistosos, no entanto, contra os argumentos técnicos bem colocados não há o que discutir. A decisão sempre será será difícil de ser tomada, mas a resposta futura mais sábia,já está a olhos vistos, ou seja; NÃO MEXAM COM O QUE ESTÁ QUIETO, EM ESPECIAL SE VOCÊ NÃO SABE QUAL A REAÇÃO, OU SABENDO, SUBESTIMA SEU PODER.

    ResponderExcluir
  11. Danem se os empregos, o importante é agente pensar nos valores culturais, no valor a vida, e acima de tudo unir forças para combater os grandes que querem nos pisotear com falsas promessas, EMPREGO, DESENVOLVIMENTO, MELHORIA DE VIDA, PARA QUEM? para a população pobre que vivem nos entornos da mina só terá a parti ruim, doenças, destruição ambiental, insegurança...pode crer, mais estamos em luta, impedir que seja explorada? não sei mais de uma coisa estou certa, demonstramos nosso posicionamento, e quando o dragão começar a se mexer, a acordar muitas pessoas ficaram assustadas com os horrores, só quem de perto a realidade das comunidades atingidas em Caitité é que pode perceber o quanto é cruel o sofrimento daquelas famílias...se agente não faz nada, não se manifesta logo logo vai iniciar e o poder político de Santa Quitéria ta dando todo apoio podes crer...

    ResponderExcluir

Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria.
- Não serão aceitos comentários difamatórios.
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs.
- Identifique-se. Para comentar, selecione Nome/URL, digite seu nome e clique em confirmar.

Obs.: Os comentários dos leitores não refletem as opiniões do Portal A Voz de Santa Quitéria.