Campanha de Lula recebeu até R$ 50 milhões de propina da África, diz Cerveró

18/01/2016 - A campanha de Lula à reeleição de 2006 teria contado com até R$ 50 milhões de propina proveniente da compra de US$ 300 milhões em blocos de exploração petróleo na África, de acordo com o ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró. As informações de Cerveró, que já dirigiu a área Internacional da estatal, foram dadas a investigadores da Operação Lava Jato durante negociações para fechar seu acordo de delação premiada e foram reveladas pelo jornal "Valor Econômico".
As declarações sobre a propina são citadas em anexo de informações elaborado por advogados de Cerveró. Lá, ele afirma que soube do repasse por meio de Manuel Domingos Vicente, ex-presidente do conselho de administração da estatal petrolífera de Angola, a Sonangol, e hoje é vice-presidente do país.
"Manoel Vicente foi explícito em afirmar que US$ 300 milhões pagos pela Petrobras a Sonangol, companhia estatal de petróleo de Angola, retornaram ao Brasil como propina para financiamento de campanha presidencial do PT valores entre R$ 40 e R$ 50 milhões."
Ainda de acordo com Cerveró, o ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci teria participado das reuniões. Em resposta ao "Valor", Palocci negou que participou de qualquer tratativa do assunto. A assessoria do Instituto Lula disse que não comentaria o caso, já que se trata de "suposto acordo de delação".

Redação Web
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe