Santa Quitéria já registra 421 descargas elétricas só em 2016

20/01/2016 - Nos primeiros 19 dias do ano, o Sistema de Monitoramento de Descargas Atmosféricas da Companhia Energética do Ceará (Coelce) registrou 6.202 raios no Estado, um aumento de cerca de 60% em relação ao mesmo período de 2015, quando ocorreram 3.906 descargas elétricas. Santa Quitéria, na região norte, foi o município com maior incidência, com 421 descargas; seguido de Tabuleiro do Norte, com 279; e Independência, 266. No ano passado foram registrados 141.316, a maioria delas no município de Granja, com 9.545 ocorrências.
Essas descargas atmosféricas são monitoradas pelo Centro de Controle do Sistema (CCS), da Coelce, com o objetivo de orientar as equipes de manutenção sobre ocorrências na rede elétrica. O sistema identifica o local da queda do raio na rede e também prevê tempestades, minimizando o tempo de atendimento das equipes. Além disso, permite identificar as áreas de maior incidência, otimizando a instalação de equipamentos de proteção.
De acordo com Eduardo Gomes, gerente de Operações da Coelce, por meio de um sistema automatizado, interligado a outros no País, é possível observar os diversos tipos de nuvens e saber se haverá maior ou menor intensidade de chuvas e a probabilidade de incidência de raios em determinada região. "Isso contribui para um trabalho mais eficaz de nossas equipes no atendimento de ocorrências", diz.
O Sistema de Monitoramento de Raios da Coelce tem acesso gratuito e ilimitado pela Internet (www.zeus.iag.usp.br), e oferece informações sobre o número de descargas atmosféricas e a situação do tempo em todo o Brasil.

Cuidados
Dentro de casa, deve ser evitado o uso de telefone celular, secador de cabelo e ferro elétrico conectados à tomada; evitar uso de chuveiro ou torneira elétrica; consertos de instalações elétricas; e, se possível, permanecer dentro de casa enquanto a tempestade durar.
Fora de casa, procure evitar contato com objetos metálicos, como cercas de arame, tubos metálicos e, principalmente, linhas telefônicas ou elétricas; evite também ficar em locais como campos abertos, piscinas, lagos, praias, árvores isoladas, postes e locais elevados.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe