Alckmin e Aécio são hostilizados em passagem na Av. Paulista

13/03/2016 - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o senador Aécio Neves (PSDB) foram hostilizados e aplaudidos em rápida passagem pela manifestação que ocorre nesta tarde na Av. Paulista contra o governo Dilma Rousseff. Os tucanos não fizeram discursos no ato e foram chamados de "oportunistas" e "ladrão". Enquanto um grupo de protestantes aplaudia a comitiva, outro pedia "Fora Aécio! Fora Alckmin! O próximo é você."
Apesar da dificuldade de locomoção, o grupo, que contou ainda com senadores e deputados da oposição, seguiu em marcha rumo à manifestação após se reunir em um hotel na região. A comitiva comandada por Alckmin e Aécio seguiu até o carro de som do Movimento Brasil Livre, um dos organizadores do protesto, e, posteriormente, foram até a Alameda Casa Branca.

Caminharam por mais algumas quadras, até a Alameda Itu, onde embarcaram em uma van. Foi justamente neste trajeto que foram os tucanos foram vistos pelos manifestantes. 
Houve confusão quando o grupo passou, com manifestantes e vendedores ambulantes sendo derrubados. Por cerca de 20 minutos o grupo de políticos cumprimentou e tirou selfies com manifestantes. Houve discussão no cercado do MBL, se discursava ou não no carro de som. Optou-se por não haver discurso, apesar do convite feito por integrantes do MBL. 
Sobre os gritos de manifestantes em referência a citações ao seu nome na Lava Jato, Aécio disse que "todas as citações têm que ser investigadas e elas estão desmontando porque são falsas". 
O governador disse que sua primeira participação "como cidadão" em manifestações de rua pró-impeachment não compromete a relação institucional com o governo federal. "Venho como cidadão porque acho que no momento grave cada um de nós deve dar sua contribuição, ajudar o País a superar o mais rápido possível essa crise", afirmou ele.

Estadão Conteúdo
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe