'Não vou renunciar', diz Dilma em discurso

11/03/2016 - A presidente Dilma Rousseff afirmou, nesta sexta-feira (11), que não pretende renunciar ao cargo, apesar do quadro de crises política e econômica. A mandatária afirmou que as pessoas que solicitam sua renúncia estão reconhecendo que não existe base para o impeachment.
“Ninguém tem o direito de pedir a renúncia de um cargo de presidente legitimamente eleito pelo povo sem dar elementos comprovatórios de que eu tenha ferido qualquer inciso da Constituição”, disse Dilma. A presidente reforçou ainda que não está resignada e “não tenho essa atitude diante da vida e acho que é por isso que eu represento o povo brasileiro”.
Estão marcados, para este domingo (13), atos contra a presidente, que enfrenta um pedido de impeachment na Câmara dos Deputados, um processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pode cassar sua chapa. Na economia, o País amarga redução na atividade e aumento no desemprego.
Dilma ainda, em estratégia definida na noite da quinta-feira (10), saiu em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e afirmou que o pedido de prisão preventiva contra o petista "não tem base legal e jurídica".
Em encontro com reitores federais no Palácio do Planalto, a presidente demonstrou preocupação com a situação do petista, reconheceu que o momento político é delicado a ele e avaliou que a solicitação apresentada pelo Ministério Público de São Paulo "não se sustenta" e "não se justifica".
Em tom de desabafo, segundo relatos de presentes, ela disse que o seu antecessor merece respeito e defendeu a obediência ao processo legal. A defesa ao petista também foi feita pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante, segundo o qual o pedido foi "injusto" e "faltou com respeito" à trajetória do ex-presidente.
Em reunião com seu núcleo político, na noite da quinta-feira (10), a presidente definiu a necessidade do governo federal sair em defesa do antecessor, que tem sido pressionado a assumir um cargo de peso na Esplanada dos Ministérios.
A avaliação foi da necessidade de tentar atrair o petista, que tem demonstrado resistências a entrar no governo federal, mas concordou em pensar a respeito e dar uma resposta oficial na semana que vem.
O diagnóstico é de que é necessário defender publicamente o petista, umas vez que ele tem sofrido um cerco político que pode ser estendido também para o Palácio do Planalto.
O governo federal recebeu com preocupação o pedido de prisão preventiva e considerou que foi expedido como reação à possibilidade do petista assumir um cargo na Esplanada dos Ministérios, o que daria a ele foro privilegiado e evitaria que ele fosse alvo de uma prisão autorizada por juízes de primeira instância.
A avaliação é que o pedido de prisão contra Lula é "exagerado" e se baseia em elementos e provas "inconsistentes" e "frágeis". A aposta é que dificilmente ele será concedido pela Justiça em São Paulo.



Entrevista coletiva no Planalto
Publicado por Dilma Rousseff em Sexta, 11 de março de 2016

Folhapress
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe