STF manda para Moro processos contra mulher e filha de Cunha na Lava-Jato

15/03/2016 - O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu mandar para ojuiz Sérgio Moro, em Curitiba, o processo contra Cláudia Cruz e Danielle Dytz, mulher e filha do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na Lava-Jato. A determinação atende a uma manifestação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sob a justificativa de que elas não têm foro privilegiado para serem investigadas pelo Supremo.
O desmembramento é referente à investigação de supostas contas ilegais mantidas pela família de Cunha na Suíça, que eram abastecidas com propina desviada de contratos com a estatal. O parlamentar já foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao STF sobre os fatos investigados neste inquérito.
Moro é responsável por julgar as ações dos investigados no esquema de corrupção da Petrobras e que não têm foro privilegiado. Na semana passada, os advogados de Cláudia e Danielle enviaram um pedido ao Supremo para tentar evitar o envio do processo à primeira instância. Segundo os advogados de ambas, o desmembramento do inquérito atrapalharia a defesa por "imbricação" nas condutas atribuídas aos três.
O parlamentar se tornou réu em outro procedimento que tramita no Supremo sobre ao recebimento de vantagens ilícitas em contratos de navios-sonda para a Petrobras. Há também uma terceira investigação contra o peemedebista que apura a suspeita do pagamento de propina em obras do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro.
A defesa de Cláudia Cruz e Danielle Dytz afirmou que ainda não vai se pronunciar sobre a decisão. Cunha, ao ser questionado sobre o caso, também afirmou que não ia comentar o assunto.

Estadão Conteúdo
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe