Antonio Anastasia (PSDB) é escolhido como relator do impeachment; veja

Sob intenso protesto dos senadores governistas da comissão especial do impeachment no Senado, o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) foi eleito nesta terça (26) para relatar o processo que pode afastar a presidente Dilma Rousseff e levá-la à perda do mandato.
A eleição foi feita por votação simbólica e teve o voto contrário dos cinco senadores que defendem a permanência da presidente no cargo. O presidente da comissão, Raimundo Lira (PMDB-PB), também eleito nesta sessão, não votou.
A confirmação de Anastasia como relator foi a primeira consequência prática da fragilidade do governo na comissão. Dos 21 titulares do colegiado, apenas cinco são declaradamente favoráveis à Dilma e votarão contra a abertura do processo de impeachment.
Para os governistas, Anastasia, nome ligado ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), deveria ter sido considerado suspeito para o cargo por ser de um partido declaradamente interessado na saída da presidente. Sua indicação foi considerada uma "provocação" pelo grupo. "Essa comissão está cometendo um equívoco com essa eleição", afirmou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).
Eles tentaram convencer o plenário a indicar um outro nome, mas foram derrotados pela maioria. Os oposicionistas chegaram a sugerir que o governo fizesse uma indicação para ir a voto mas, diante da derrota certa, a base aliada de Dilma optou por não arriscar.
Quieto durante toda a sessão, Anastasia fez um breve discurso à comissão. "Queria muito agradecer a confiança dos meus pares e queria fazer referência a uma frase famosa do ex-presidente Juscelino Kubitschek que uma vez disse que Deus o poupou do sentimento do medo. Eu quero parafraseá-lo e dizer que Deus me concedeu o dom da serenidade", disse.  O relatortambém  apresentou uma sugestão para os prazos do processo. No dia 28 de abril seriam ouvidos os denunciantes e no dia seguinte a defesa. O relatório, caso aprovado o cronograma, deverá ser apresentado no dia 4 de maio e colocado para aprovação da comissão no dia 6.
Durante a sessão, o presidente da comissão, Raimundo Lira (PMDB-PB) indeferiu dois questionamentos apresentados pelas senadoras Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Vanessa Grazziottin (PCdoB-AM) que pediram a suspeição de Anastasia. Vanessa ressaltou a ligação da denúncia contra a presidente Dilma com o PSDB ao afirmar que a peça foi subscrita pelo advogado Flávio Henrique Costa Pereira, coordenador jurídico do partido.
Lira, no entanto, entendeu que não havia impedimentos legais para o tucano assumir o cargo. As senadoras recorreram ao plenário que manteve a decisão do presidente.
"Nossa responsabilidade é muito grande. O que nós estamos fazendo aqui não tem nada a ver com as qualidades pessoais, profissionais e morais do senador Anastasia. O que colocamos aqui é uma suspeição sobre o posicionamento político do partido do senador. [...] Se fosse alguém do PT estaria incorrendo na mesma suspeição. Se ele for mantido, o relatório preliminar vai ser o posicionamento político do PSDB", afirmou Vanessa.
"Uma comissão assim começa mal, muito mal. Apelo para que pudéssemos ter outro nome. Não é nada pessoal. Temos total respeito pelo senador Anastasia mas entendemos que é impróprio uma comissão, com a responsabilidade que essa tem, ter como parte um senador de um partido diretamente interessado na decisão", afirmou o líder do governo na Casa, Humberto Costa (PT-PE).
Para rebater os colegas, o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) afirmou que o PSDB não é diretamente interessado na saída do PT do Executivo porque quem assumirá o comando do país é o vice-presidente Michel Temer, do PMDB. Os peemedebistas, no entanto, têm conversado com integrantes da oposição para a montagem de seu eventual ministério.
"O PT está criando tentativas de procrastinação para não elegermos nosso relator. Em dez dias precisamos concluir nossos trabalhos. A questão de ordem da senadora Gleisi Hoffmann é absolutamente infundada", afirmou o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES).
O cargo de relator é considerado o mais importante da comissão porque é quem irá apresentar um parecer pela admissibilidade do processo ou não. Se o relator entender que o Senado deve julgar a presidente da República, e a Casa aprovar sua decisão, Dilma será afastada do cargo por 180 dias e o vice-presidente Michel Temer assumirá o cargo interinamente.
Em seguida, a comissão continua seus trabalhos para decidir se a presidente cometeu crime de responsabilidade e deve, por isso, perder definitivamente o seu mandato. Anastasia também vai comandar esta segunda etapa da comissão, definindo o calendário de diligências, apresentação da defesa, oitiva de testemunhas, entre outros, antes de produzir o parecer pelo impeachment ou absolvição da presidente.

Anastasia
Elogiado por seu caráter e qualidades profissionais até mesmo pelos governistas, Anastasia iniciou sua carreira na política puxado por Aécio Neves quando este foi governador de Minas Gerais. Na gestão do seu padrinho, ocupou o cargo de secretário de Planejamento e Gestão e de secretário de Defesa Social.
Pelo trabalho desenvolvido, Anastasia foi convidado pelo próprio Aécio Neves para integrar a chapa à sua reeleição, em 2006. Mineiro de Belo Horizonte, foi eleito vice-governador do seu estado natal e acabou assumindo o comando do governo quando Aécio deixou o cargo, em 2010, para disputar uma cadeira no Senado. O tucano herdou de seu antecessor a complementação do que chamaram de "choque de gestão" no governo.
Anastasia foi reeleito no mesmo ano com mais de 60% dos votos e permaneceu como governador até abril de 2014, quando também renunciou ao posto para coordenar o plano de governo de Aécio para a Presidência da República e disputar as eleições para o Senado. Foi eleito senador no pleito de 2014.
Em fevereiro, o ministro Teori Zavascki, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou o arquivamento de uma investigação contra o tucano no âmbito da Operação Lava Jato. Ele acatou pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República), que não viu consistência nas afirmações feitas pelo entregador de dinheiro do doleiro Alberto Youssef, Carlos Alexandre de Souza Rocha, conhecido como Ceará.



Folhapress
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe