Ceará elimina 4,7 mil vagas de emprego em março

Foram eliminadas 4,7 mil vagas de emprego formal no Ceará no mês de março deste ano, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta sexta-feira (22) pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS).
O saldo negativo é resultante de 36,2 mil admissões e 40,9 mil demissões. Houve piora no comparativo com o desempenho obtido em fevereiro (-4,1 mil).
Os setores que mais registraram fechamento de postos de trabalho no terceiro mês deste ano foram a indústria de transformação (-1,5 mil) e a construção civil (1,3 mil).
Em todo o Brasil, foram eliminados 118.776 empregos celetistas em março, segundo dados do Caged. Essa foi a maior perda de vagas formais para meses de março em 25 anos. No mês passado, o país fechou 118.776 postos de trabalho com carteira assinada.
Nos últimos 12 meses, já foram suprimidas 1.853.076 milhões de vagas formais. Os números levam em conta a diferença entre demissões e contratações. Quase todos os setores da economia demitiram mais do que contrataram. A exceção foi a administração pública, com 4,3 mil vagas a mais no mês.

Setores mais impactados
O comércio e a indústria de transformação fecharam o maior número de vagas, respectivamente, 41.978 e 24.856. Em terceiro lugar, vem a construção civil, com supressão de 24.184 vagas.
Os estados que mais fecharam postos de trabalho em fevereiro foram São Paulo (-32.616 vagas),Rio de Janeiro (-13.741) e Pernambuco (-11.383). Apenas quatro estados contrataram mais que demitiram: Rio Grande do Sul (4.803 vagas criadas), Goiás (3.331), Roraima (220) e Mato Grosso do Sul (187 postos criados).
Divulgado desde 1992, o Caged registra as contratações e as demissões em empregos com carteira assinada com base em declarações enviadas pelos empregadores ao Ministério do Trabalho.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe