Mais de 746 mil pessoas enfrentam desabastecimento no interior cearense

02/04/2016 - O Ceará enfrenta a pior seca das últimas cinco décadas. Já são cinco anos consecutivos de chuva abaixo da média. Trinta cidades enfrentam atualmente restrição de abastecimento de água, conforme a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece). São mais de 746 mil moradores afetados. O número pode ser maior porque há cidades com sistema administrado por Serviços Autônomos de Água e Esgoto (SAAE).
Onde captar água para tratar e distribuir aos moradores das áreas urbanas? A maioria dos açudes e poços está secando. Dos 153 reservatórios monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hidrícos (Cogerh), 124 estão com volume abaixo dos 30%. A criticidade é tamanha que atividades simples, como lavar louça ou roupas, se tornam complicadas para famílias dos centros urbanos.

Segundo o superintendente da Cagece, Jacinto Leal, nas cidades em situação mais crítica, o órgão tem realizado ações em parceria com a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) e a Superintendência de Obras Hidráulicas (Sohidra). Ele destacou a instalação de adutoras de montagem rápida, perfuração de poços ou abastecimento por carro-pipa como alternativas. No ano passado, mais de 850 poços foram perfurados.
O superintendente explica que, no período de contingência, a população chega a ficar sem água por até quatro dias. "Depende da cidade. Algumas recebem água dia sim, dia não. Outras, a cada dois dias e, em casos extremos, quatro dias. Ele ilustra que, em situações normais, a média de consumo por pessoa é de 150 litros/dia. Em emergência, cai para 30 l/dia.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe