Revista que propôs trancar domésticas para não votarem em Dilma é processada pelo MPT

Os donos da revista "Actual Magazine", de Mogi das Cruzes, município do Estado de São Paulo, serão processados pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) devido a um artigo que sugeria o trancamento das "secretária do lar" em casa, a interdição de casas de forró e a proibição dos porteiros de saírem dos prédios para votarem em Dilma Rousseff. 
As informações são da colunista da Folha de São Paulo, Mônica Bergamo. De acordo com a ação civil pública, o texto foi discriminatório e ofendeu duas categorias profissionais: a das domésticas e a dos porteiros.
O conteúdo foi publicado em artigo do colunista Anderson Magalhães, antes das eleições presidenciais de 2014. O MPT pede que a revista seja condenada a pagar indenização de R$ 500 mil por dano moral coletivo.
O advogado dos colunistas e dos proprietários da revista, Marco Soares, disse que houve "evidente e incrível erro de interpretação de alguns leitores". Em texto publicado após a repercussão, o colunista Anderson Magalhães pediu desculpas.

Redação Web
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe