Vírus da zika é detectado em macacos no Ceará

Pesquisadores detectaram o vírus da zika (ZIKV) em sete macacos de diferentes espécies no Ceará. Dois saguis e um macaco-prego foram encontrados com o vírus na serra. Um mico foi achado na região costeira. Outros dois saguis e um macaco prego foram analisados na caatinga. O que chama mais atenção é que um dos primatas era tratado como animal de estimação.
O resumo do estudo, divulgado no portal Biorx, registra que os animais foram capturados emFortaleza, São Benedito, Guaraciaba do Norte e Tabuleiro do Norte. Os estudos e análises do material genético foram realizados por pesquisadores da Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa), Instituto Pasteur de São Paulo e a Universidade de São Paulo (USP). Publicado no dia 20 de abril, este é o primeiro relatório sobre a detecção do vírus entre os primatas neotropicais do Brasil.  
A pesquisa inédita coletou amostras de sangue e saliva de saguis (Callithrix jacchus) e macacos prego (Sapajus libidinosus). Os testes tiveram inicio em julho com conclusão em novembro de 2015, nas áreas de maior índice de epidemia do Ceará. Conforme o trabalho, após a coleta das amostras, os primatas foram marcados com microchips e lançados de volta ao seu local original. Na análise preliminar do material coletado houve registro de 29% de positividade (7/24).  
Para validar ainda mais, os cientistas sequenciaram e amplificaram o produto dos macacos. O diagnóstico descobriu que os animais tinham ZIKV com 100% de semelhança com outras ZIKV da América do Sul. Conforme o estudo, o trabalho "permanece como uma advertência para a possibilidade de que eles [macacos] poderiam atuar como reservatórios, semelhante ao ciclo silvestre da febre amarela no Brasil",  conclui a pesquisa.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe