15 municípios apenas atingiram meta contra o influenza A/H1N1 no Ceará

Dos 184 municípios cearenses apenas 15 atingiram a meta de 80% da vacinação contra a influenza A/H1N1. Ao todo 63,14% do Ceará foi vacinado. Conforme a Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa-CE) ainda faltam pessoas dos grupos de risco, no caso crianças, gestantes, indígenas e idosos procurarem a imunização. Os dados foram divulgados pela Sesa-CE durante coletiva na manhã desta quinta-feira (19).
O município de Aurora chama atenção por obter o número de vacinas e de imunizações maior do que o número da população. Conforme o secretário do saúde do Estado Henrique Javi isso ocorreu pelo fato de pessoas de outros municípios buscarem a imunização na cidade.
A Capital cearense está nível intermediário. "Está no grupo entre 60% a 80%. O ideal é que as pessoas procurem os postos para atingirmos a meta. Quanto maior o número de pessoas se vacinando no período da campanha maior é o nível imunização," conclui o gestor.  

Índices de cobertura
100 municípios estão marcando entre  60% a 80% da população imunizada. Outros 72 estão abaixo de 60%. Conforme os dados da pasta, já foram investidos cerca de R$ 2 mi na campanha de vacinação para pagar seringas, carros de imunização e profissionais da saúde.
Para cumprir a meta de cobertura, o Ceará deveria imunizar 80% da população de 2.017.553 de crianças de seis meses a quatro anos, trabalhadores da saúde, gestantes puérperas, indígenas, idosos acima de 60 anos, pessoas com comorbidades, adolescentes e jovens sob medidas socioeducativas, população carcerária e funcionários do sistema prisional. Desse valor apenas cerca de 1 mi se vacinou. O último boletim epidemiológico do órgão apresentou 20 notificações confirmadas da doença e outros 20 casos em investigação. Desse total, 8 óbitos foram confirmados.

A doença
O vírus influenza sazonal pode causar infecção branda a grave, inclusive óbito. Existem três tipos de vírus influenza sazonais: influenza A, B e C. Atualmente, influenza A(H1N1), A(H3N2) e B são os subtipos sazonais em circulação. Os vírus influenza tipo C causam infecções mais brandas e estão associados com casos esporádicos. Por não ter impacto na saúde pública, esse tipo de vírus influenza não compõe a vacina sazonal contra influenza. Por recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), a vacina contra a gripe em 2016 protege contra Influenza A(H1N1), Influenza A(H3N2) e Influenza B.
Já a influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. É de elevada transmissibilidade e distribuição global, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao calar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém‐contaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto a boca, olhos e nariz. A gripe comum, como é conhecida, pode levar a complicações graves e ao óbito, especialmente nos grupos de alto risco para as complicações da infecção. Em 2015 o Ceará não registrou óbitos por influenza.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe