Já como presidente afastada, Dilma se diz injustiçada e afirma que irá lutar pela democracia

Instantes após receber a notificação do Senado que informava oficialmente a decisão de retirá-la do cargo por 180 dias, a agora presidente afastada Dilma Rousseff fez um pronunciamento à imprensa no fim da manhã desta quinta-feira (12), dentro do Palácio do Planalto, no qual se disse injustiçada e que irá lutar pela democracia.
Dilma voltou a repetir o discurso de golpe e classificou o processo de impeachment como fraudulento. Ela também disse que a decisão do Senado de afastá-la atenta contra a vontade dos eleitores. “Fui eleita por 54 milhões de cidadãos e cidadãs brasileiros, e é nessa condição de presidenta eleita que me dirijo a vocês”, iniciou o pronunciamento.
“O que está em jogo também é a descoberta do pré-sal, o futuro do País”, completou. Segundo ela, o processo de impeachment é “fraudulento. Um verdadeiro golpe”, resumiu. “Mergulharam o País num estado permanente de instabilidade”, acrescentou. O objetivo do golpe, para Dilma, é “tomar à força o que foi decidido nas urnas”.

Dilma Rousseff faz declaração à imprensa após ser afastada pelo Senado


“Não cometi crime de responsabilidade, não há razão para o processo de impeachment”, insistiu. “É a maior das brutalidades que podem ser cometidas a qualquer ser humano, ser punida por um crime que não cometeu”, lamentou. “Esta farsa jurídica deve-se ao fato de que como presidente nunca aceitei chantagem de qualquer natureza. Posso ter cometido erros, mas não cometi crimes”, completou. 

FOTO: notificação de afastamento de Dilma assinado pela própria

Para a presidente afastada, “o maior risco para o País neste momento é ser governado por um governo sem voto, que não terá legitimidade para propor soluções para o Brasil”, disse. Dilma também lembrou o tempo em que foi torturada. “Senti a dor da tortura, a dor da doença. Agora, sinto novamente a dor inominável da injustiça. O que mais dói é perceber que estou sendo vítima de uma farsa”, repetiu. “Confesso que nunca imaginei ser necessário lutar de novo contra um golpe no meu país”.

Dilma fala a manifestantes que a apoiavam
Após deixar o Palácio do Planalto por uma porta lateral, e acompanhada do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, Dilma repetiu o discurso sobre golpe, injustiça e agradeceu o apoio da população que saiu às ruas em protesto “contra o golpe” que a afastou do cargo. Após o discurso, Dilma cumprimentou os manifestantes que ocupavam a Praça dos Três Poderes.

Redação Web
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe