Bispo da Universal é cotado para Ciência e Tecnologia de Temer

Presidente nacional do PRB, o bispo licenciado da Igreja Universal Marcos Pereira é cotado para chefiar o Ministério da Ciência e Tecnologia em um eventual governo do vice-presidente Michel Temer. Ele está reunido com Temer na noite desta segunda (2) no Palácio do Jaburu. A pasta foi oferecida ao partido esta semana, após naufragarem as tentativas de uma negociação em cima da Agricultura e da Secretaria Especial de Portos.
Sob Dilma Rousseff, o PRB comandou o Ministério do Esporte até as vésperas da aprovação do impeachment na Câmara. O titular da pasta nessa fase era o pastor George Hilton.
Nesta segunda-feira (2), Pereira publicou em sua página na internet uma mensagem em que diz que seu partido "saiu da base de apoio do governo Dilma Rousseff e deixou o Ministério do Esporte em pleno ano de realização das Olimpíadas por entender que houve crime de responsabilidade e pela dificuldade de diálogo que a presidente e seus auxiliares mais próximos sempre impuseram aos aliados".
"Nossa esperança é a de que o novo governo [Temer] não cometa os mesmos erros deste que está prestes a se encerrar. Temos conosco a expectativa de, juntos, deixarmos um legado para o futuro. O Brasil pode contar com o PRB", encerrou.
As conversas com o PRB ocorrem em meio à tentativa de Temer de equacionar as demandas de partidos que lhe darão sustentação no Congresso e a ideia de reduzir o número de ministérios (hoje em 32), caso assuma o Planalto.

Saúde
Nesta semana, avançaram conversas que o vice teve com integrantes de outras siglas, como o PP, que deve indicar o ministro da Saúde. O presidente nacional da legenda, senador Ciro Nogueira (PP-PB), foi a São Paulo conversar com cotados para a pasta, entre eles o cirurgião Raul Cutait, professor da USP (Universidade de São Paulo) e integrante da equipe do Sírio-Libanês.
Cutait lidera hoje as apostas para a chefia da pasta, mas o martelo ainda não foi batido.
Outro nome que despontou nos últimos dias foi o do secretário de Segurança de São Paulo, Alexandre de Moraes, para o Ministério da Justiça. Filiado ao PSDB, ele é amigo pessoal de Temer e homem de confiança do governador Geraldo Alckmin.
Sua nomeação poderia, portanto, atender a dois propósitos: aproximar Temer de Alckmin e fechar a equação numa pasta delicada. O nome que figurava entre os favoritos do vice, o advogado Antônio Cláudio Mariz, acabou descartado após fazer críticas à Operação Lava Jato na semana passada.
Ainda nesta segunda (2) ganhou força a tese de que o PSDB poderia ainda indicar o deputado Bruno Araújo (PE) para o Ministério das Comunicações. Aliado do senador Aécio Neves (PSDB-MG), ganhou projeção nacional ao se notabilizar como o parlamentar que deu o voto de número 342 a favor do impeachment, sacramentando a derrota de Dilma na Câmara.

Folhapress
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe