Empresário acusado de matar cães a tiros de espingarda em Varjota é denunciado pelo MPCE

O empresário do município de Varjota acusado de matar dois cães na cidade de Varjota, distante cerca de 220 km de Fortaleza, foi denunciado criminalmente nesta quinta-feira (19) pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE). Segundo o órgão, Leandro Nobre Ximenes realizou a matança sem motivos aparentes e o caso comoveu a cidade. O crime ocorreu no dia 22 de abril.
As testemunhas disserem que ele também teria atirado em gatos. As mortes foram causadas por espingarda. Ainda conforme os relatos, à luz do dia o homem parou o carro e começou a disparar contras os animais, todos numa mesma rua. A motivação teria sido porque os cães perturbavam outros bichos criados por ele. 
O promotor de Justiça da Comarca de Varjota, Gerson Alberto de França, confirmou as informações de que o crime ocorreu durante o dia, “no meio da rua, com várias residências em volta e na presença de diversas testemunhas, provocando grande temor nas pessoas que assistiram à cena e ouviram os tiros efetuados pelo denunciado”, informou o MPCE.
“Este crime ambiental cometido de forma bárbara repercutiu bastante nas mídias sociais e provocou a indignação da comunidade e de ONGs de proteção aos animais no estado, tendo inclusive a Promotoria de Justiça de Varjota recebido alguns representantes dessas entidades”, explicou o promotor em nota. 
A promotoria informou ainda que o empresário pode também responder por fraude processual, “tendo em vista os indícios nos autos do inquérito de que os corpos dos cachorros mortos pelo denunciado foram removidos do local sem autorização, tendo as testemunhas relatado que pessoas ligadas ao denunciado teriam realizado a remoção com o nítido propósito de alterar a cena do crime e impedir a realização de perícia no local”, detalhou o promotor de Justiça. A Polícia Civil foi acionada para investigar a nova denúncia.
Matar cães, assim como outros animais domésticos, domesticados, silvestres, nativos ou exóticos, é crime, segundo a Lei de Crimes Ambientais (art. 32). A pena prevista para quem abusar, maltratar, ferir ou mutilar um animal é de três meses a um ano de prisão, além de multa. Em caso de morte, a pena é aumentada de um sexto a um terço.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe