Estudantes ocupam três escolas em apoio à greve dos professores

Estudantes da rede estadual de ensino do Ceará ocupam duas escolas em Fortaleza (CE) e uma em Juazeiro do Norte, interior do Estado, em apoio à greve dos professores. Eles também reivindicam melhorias nas estruturas das escolas, diversificação no cardápio da merenda, aumento do valor da verba destinada à merenda –que seria de R$ 0,31 por aluno-- além da implantação do passe livre e reforma na grade curricular.
Nesta segunda-feira (2), cerca de 20 estudantes, com idades entre 15 e 17 anos, entraram na escola João Mattos, no bairro Montese, e informaram que estão no prédio por tempo indeterminado.
Desde a última quinta-feira, o Caic (Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente) Maria Alves Carioca, no bairro Bom Jardim, em Fortaleza, e a escola Presidente Geisel, no bairro Santa Tereza, em Juazeiro do Norte, estão ocupados por estudantes. 
No Caic, o grupo é formado por cerca de 30 estudantes. Já na Escola Presidente Geisel, são entre 40 e 50 alunos que estão permanentes no prédio. Até agora, as ocupações ocorrem de forma pacífica e não há presença da polícia nos prédios, segundo informou a Secretaria Estadual de Educação.
Os professores do Estado do Ceará entraram em greve no dia 25 de março. Ao todo, 445 mil estudantes estão sem aulas devido à paralisação. A categoria pede reajuste salarial de 12,67%; melhorias nas condições de ensino e nas estruturas das escolas; liberação de processos relativos à estabilidade, ascensão funcional e progressão; manutenção e ampliação dos espaços pedagógicos; e regulamentação do pagamento da verba da merenda escolar.
Segundo um dos organizadores da ocupação da Escola João Mattos, o grupo pede reformas nos banheiros e na quadra de esportes, que estão quebrados, e ainda melhorias na merenda. Os estudantes vão realizar uma assembleia às 19h de hoje para definir o calendário de atividades que serão realizadas durante a ocupação.
"Estamos também em apoio aos nossos professores, que estão em greve. Melhorando o salário deles, a gente também conseguirá melhorias no ensino. Estamos pedindo a reforma na escola e aumento da merenda e melhoria na alimentação e na água", disse um dos estudantes, em entrevista ao UOL, na tarde desta segunda-feira.
Os estudantes do Caic reclamam que a escola não tem estrutura para funcionar: as salas de aula e banheiros precisariam de reformas, faltam materiais de expediente, como papel ofício para aplicação das provas, e que o quadro de funcionários e de professores é insuficiente para atender a demanda da escola.
Em carta aberta, os professores do Caic destacaram o apoio à ocupação e afirmaram que não queriam estar em greve. "Nós queríamos estar em sala de aula, ensinando, aprendendo, cumprindo nosso planejamento para o ano letivo de 2016. Quem está diariamente em sala de aula, ensinando nossos meninos e meninas a interpretar, calcular, refletir e pensar certamente o faz porque ainda carrega acesa a centelha da educação em sua alma e não está satisfeito por estar de braços cruzados", diz a carta.
Uma estudante de 17 anos da Escola Presidente Geisel destaca que a merenda precisa ser melhorada porque "todos os dias come arroz com frango e fica difícil todo dia comer a mesma coisa". "Além disso, eles oferecem pouca comida e para os alunos todos se alimentarem, a quantidade é pequena. Moramos no interior, onde as dificuldades são maiores, e o Estado sabe que a merenda é importante para os alunos. Muitos fazem a principal refeição na escola, sejam os que estudam de dia ou de noite", disse.

Respostas
A Secretaria da Educação do Estado do Ceará informou que está aberta ao diálogo com professores e estudantes e que "não impedirá o acesso de alunos às escolas desde que haja respeito ao patrimônio". De acordo com o Código Civil, os pais são responsáveis legais por quaisquer atos de seus filhos. 
Sobre as reivindicações dos estudantes, a Seduc informou que a merenda escolar é financiada pelo Governo Federal por meio do PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) e o valor é estabelecido pelo Ministério da Educação. Sobre o passe livre estudantil, a secretaria afirmou ainda que não é de sua competência a reivindicação, mas sim, das prefeituras municipais, que são responsáveis pelo transporte urbano e metropolitano dos estudantes.
A secretaria informou ainda que já realizou melhorias na infraestrutura do Caic Maria Alves Carioca e prevê novas reformas ainda este ano. A secretaria disse ainda que o Caic Maria Alves Carioca possui 17 funcionários e que a equipe que atende a demanda da escola. "O quadro de funcionários é composto por duas merendeiras, seis auxiliares de serviços burocráticos, sete auxiliares de serviços gerais, um porteiro e vigilância 24 horas." 
A secretaria destacou que a Coordenação de Diversidade e Inclusão Educacional está à disposição para a realização de oficinas, palestras e rodas de conversas envolvendo toda a comunidade escolar sobre questões de gênero e diversidade. Os debates acontecem por demanda da escola. Em 2015, foram realizadas 23 oficinas e, este ano, as ações já aconteceram em seis escolas da rede estadual.
Sobre a greve dos professores, uma comissão de manifestantes foi recebida no dia 28 de abril pelo secretário Chefe do Gabinete do Governador, Élcio Batista. Na ocasião, o Governo reforçou que está em permanente diálogo com os representantes dos profissionais do magistério, dando sequência aos diversos encontros para tratar da valorização dos professores. "Sobre a reivindicação de reajuste, há recursos específicos para a valorização da remuneração dos profissionais do magistério. Uma posição a respeito está prevista para divulgação no dia 6 de junho de 2016."

UOL
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe