Michel Temer decide cortar dez ministérios caso assuma presidência

Confiante de que a decisão de anular a sessão do processo de impeachment na Câmara não tem amparo legal, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) acertou com sua equipe nesta segunda-feira (9) o novo desenho da Esplanada dos Ministérios, que passará a ter pelo menos dez ministros a menos caso o peemedebista tome posse na Presidência da República.
No final da tarde desta segunda, Temer decidiu que irá reduzir de 32 para 22 o números de ministros em sua futura equipe. Mais cedo, a reportagem havia apurado que o peemedebista iria cortar nove ministérios. Na nova conta, entrou também a decisão de fundir a Secretaria de Direitos Humanos com o Ministério da Justiça, que passará a ser chamado de Ministério da Justiça e Cidadania. Ou seja, Temer voltou a seu plano original.
Entre as novidades do novo desenho da Esplanada está a decisão de desmembrar o Ministério do Trabalho e Previdência Social. A primeira área segue como ministério. A segunda será incorporada pelo Ministério da Fazenda, que ficará responsável por elaborar a reforma previdenciária.
Temer decidiu também fundir os ministérios das Comunicações com Ciência e Tecnologia e do Desenvolvimento Social com Desenvolvimento Agrário.
O peemedebista resolveu também voltar ao planejamento original de fundir as secretarias com status ministerial de Portos e Aviação Civil com o Ministério dos Transportes. O Ministério da Educação volta para sua configuração original e vai incorporar o Ministério da Cultura.
Perdem ainda status de ministério a Advocacia-Geral da União (AGU), Banco Central, Secretaria de Comunicação Social e Chefia de Gabinete da Presidência da República.
Dentro desta nova configuração, que assessores acreditam ser a definitiva, o vice-presidente vai fechar as negociações com os partidos aliados para escolha de sua futura equipe, que toma posse caso o Senado decida pelo afastamento da presidente Dilma Rousseff.
Já estão certos, na equipe, Eliseu Padilha (Casa Civil), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Henrique Meirelles (Fazenda).

Folhapress
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe