Suzane von Richthofen deixa prisão em saída temporária de Dia das Mães

Condenada a 39 anos de prisão por matar os pais, Suzane von Richthofen deixou a Penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier, a P1 feminina de Tremembé (SP), na manhã desta quarta-feira (4), para a saída temporária de Dia das Mães.
Ela deixou a unidade às 9h, um dia antes das demais presas, que terão direito ao benefício a partir das 8h desta quinta (5).
Desde que foi condenada, em 2006, essa é a segunda vez que Suzane tem direito à saída temporária – sendo a primeira no Dia das Mães. Ela deve retornar na próxima terça-feira (10) até 18h, junto com as outras presas.

Antecipação de saída
De acordo com o defensor de Suzane, Rui Freire, apesar de não ter havido um pedido formal para antecipação da saída da presa, essa era um medida esperada.
"É uma questão de segurança que normalmente a direção do presídio adota. Suzane é um presa que sofre muito assédio, então isso deve ter sido considerado", afirmou Freire. Ele não informou onde Suzane ficará no período em que estiver fora do presídio.
Além disso, conforme apurou o G1, a Vara de Execuçõe Criminais (VEC), que autoriza a saída temporária dos presos do complexo prisional de Tremembé, também considerou ao antecipar a saída de Suzane que ela retornou um dia antes do prazo quando deixou o presídio na Páscoa.
No regime semiaberto, em que Suzane está, os presos têm direito a cinco saídas temporárias no ano: Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças, além de Natal e Ano Novo. Para receber o benefício, os presos devem apresentar bom comportamento.
A VEC foi procurada para comentar a saída de Suzane, mas não respondeu até a última atualização desta reportagem.

Faculdade
Depois de conseguir o benefício do regime semiaberto em outubro de 2015, Suzane Richthofen foi autorizada no mês passado a frequentar o curso de administração de empresas em uma universidade em Taubaté (SP).
O mandado de segurança concedido no último dia 7 pelo desembargador José Damião Pinheiro Machado Cogan derrubou decisão da Vara de Execuções Criminais de Taubaté, que tinha impedido Suzane de fazer o curso universitário.

G1
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe