Cúpula da SSPDS vai a Sobral após tumultos; 87 pessoas foram conduzidas à Delegacia

A cúpula da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) e um representante do gabinete do Governo do Estado se deslocaram para Sobral, a 250Km de Fortaleza, após a detenção, na tarde de ontem, de 87 pessoas que afirmavam ser ligadas a facções criminosas e estavam nas ruas da cidade em uma suposta manifestação pela 'paz' entre grupos criminosos. O secretário adjunto da SSPDS, coronel Lauro Carlos de Araújo Prado, afirmou que a comitiva está indo para Sobral para "avaliar essa situação, que não é normal".
Prado destacou que houve mobilização pela rede social Facebook de pessoas que afirmavam serem ligadas a facções. Após a descoberta das mensagens, 87 pessoas foram conduzidas à Delegacia Regional de Sobral, sob a acusação de apologia ao crime, sendo 47 adultos. "Não sabemos se realmente todos os detidos são de facções ou são aproveitadores que querem causar pânico na sociedade. Vamos avaliar caso a caso", disse.
O secretário adjunto salientou que "atitudes como essa de apologia ao crime criam um clima de terror na Cidade. "Nós não vamos aceitar isso. Estamos nos deslocando para combater qualquer situação que incite a criminalidade", destacou. Prado disse ainda que patrulhas do Batalhão de Policiamento e Rondas de Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio), do Comando Tático Motorizado (Cotam) e aeronave da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) também foram mobilizadas para Sobral.
A comitiva é formada pelo secretário adjunto da SSPDS, Lauro Carlos de Araújo Prado; o delegado geral da Polícia Civil, Andrade Júnior; comandante geral da Polícia Militar, coronel Giovani Pinheiro; comandante geral do Corpo de Bombeiros, coronel Heraldo Maia Pacheco; e o perito geral da Perícia Forense do Ceará (Pefoce), Maximiano Leite Chaves.

Segundo a Polícia, tudo começou quando, na noite desta segunda-feira (27), gangues rivais se reuniram para selar um acordo de paz. Ontem, o movimento ganhou força e diversas ruas da cidade foram bloqueadas. Populares relatam que esses grupos mandavam motoristas voltarem, interrompendo o fluxo.
A Polícia foi acionada para dispersar e houve disparos. Segundo o titular da Delegacia Municipal de Sobral, João Henrique da Silva Neto, o tumulto foi registrado em vários bairros e 87 pessoas foram detidas. No momento da prisão, muitos faziam uso de drogas e alguns tinham mandados de prisão em aberto.
Nas redes sociais, boatos ganharam força e áudios orientavam a população para não ir às ruas. Vídeos com vias completamente lotadas foram amplamente divulgados. Populares afirmam que houve tumulto nos bairros Alto do Cristo, Centro, Sinhá Sabóia, Terrenos Novos, Junco, Gaviões e Pedrinhas.
No fim da noite, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) divulgou nota explicando que as prisões tinham como objetivo identificar líderes de grupos criminosos, que vinham realizando manifestação de união entre os bandos. Segundo o Comandante da PM na AIS 12, tenente-coronel Assis Azevêdo, "após a divulgação das imagens na internet, policiais montaram campana nas áreas onde ocorreram as passeatas e identificaram os infratores".

População com medo
Segundo o tenente-coronel Azevêdo, que comandou a ação, tinha mais de 300 pessoas na caminhada, numa verdadeira afronta à sociedade, inclusive utilizando motocicletas sem capacete. "Nós, em defesa da coletividade, resolvermos acabar com aquilo, até porque, dentre aquela manifestação havia vários elementos já conhecidos por envolvimento em assaltos, roubos e tráfico de drogas. Fizemos um cerco, prendemos alguns elementos que conhecemos e outros que foram recolhidos pela baderna que armaram no momento da abordagem", disse.
O comerciante Dante Silveira, 58, ficou admirado com a passagem do grupo em frente à sua casa. "Eu fechei a porta do comércio com medo que eles entrassem aqui", afirmou.
O caso foi levado à Delegacia Municipal, onde o titular, João Henrique da Silva Neto, contou com apoio do delegado da regional, Júnior Vieira, para dar conta do grande volume de ocorrências, o que gerou tumulto entre familiares, que se dirigiram à porta da Delegacia em busca de informações. Segundo João Henrique, o grupo já se dirigia ao shopping, quando foi impedido pela PM. "Estamos encaminhando todos para o presídio, maiores e menores. E vamos continuar com as diligências", disse.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe