Detentos fazem festa em presídio do Ceará ao som de Wesley Safadão

Dois dias depois de o Tribuna do Ceará denunciar que internos da Unidade Prisional Desembargador Adalberto de Oliveira Barros Leal, localizado no município de Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza, utilizavam celulares tranquilamente dentro do presídio, um novo caso veio à tona.
Na manhã desta quarta-feira (15), um novo vídeo circula nas redes sociais. Nas imagens, diversos presidiários usam drogas, consomem álcool e dançam ao som da música “Camarote” do cantor de forró Wesley Safadão. Ainda durante as imagens, diversos presos intitulam a celebração que acontece dentro do presídio como “Baile de Favela”. Tranquilamente, os internos posam para filmagens e fotografias de outros presidiários. A ação acontece à noite.
Conhecida popularmente como Carrapicho, a unidade foi um dos presídios onde foram registradas rebeliões no último mês de maio. A Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado (Sejus) informou na manhã desta quarta-feira que o vídeo foi encaminhado à Coordenadoria de Inteligência para análise. “Caso seja confirmada sua veracidade, as medidas necessárias serão tomadas”, disse a nota, sem citar quais providências são essas.

Apreensão de celulares
Nesta terça-feira (14), em apenas uma vistoria realizada na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor José Jucá Neto (CPPL III), em Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza, foram apreendidos 230 celulares. A vistoria ocorreu na última segunda-feira (13). De acordo com a Sejus, agentes penitenciários tiveram apoio do Batalhão de Polícia de Choque. A CPPL III tem capacidade para 952 detentos.
Na última semana, a CPPL IV também passou por uma vistoria, quando foram apreendidos 129 aparelhos celulares. 

Legislação
Conforme a legislação, auxiliar ou facilitar a entrada de aparelho telefônico em unidades prisionais é crime, sujeito a pena que varia entre três meses e um ano de detenção. Mesmo sendo contra as normas, é constante o uso de celulares.

Lei dos bloqueadores
No Ceará, um projeto de lei de autoria do Governador Camilo Santana (PT) tenta evitar a entrada desses dispositivos em presídios através do bloqueio de sinal. Apesar disso, a lei ainda não está em vigor e aguarda uma regulamentação, que já está sendo feita pela Secretaria de Justiça do Ceará (Sejus). A medida tenta impedir que criminosos dentro de presídios continuem realizando crimes e ordenando ações criminosas por meio de telefones celulares dentro das unidades.
Em resposta a um possível bloqueio de sinal, diversos ataques e ameaças foram feitas por criminosos. Após a aprovação do projeto de lei, várias delegacias de Fortaleza foram atacadas.



Tribuna do Ceará
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe