Frustração da safra de milho e feijão chega até 70% durante estiagem

Terminada a estação chuvosa e quase concluído o levantamento no campo da safra de sequeiro de grãos, no sertão cearense, uma triste e grave conclusão: 2016 é o segundo pior ano no atual ciclo de estiagem que desde 2012 se abate sobre o Estado.
A frustração de safra de milho e feijão é, em média, superior a 70%. Perda elevada das culturas agrícolas e escassez de água aumentam a crise econômica no Interior do Ceará.
O Grupo de Coordenação de Estatísticas Agropecuárias (GCEA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) está concluindo o levantamento feito pelas Comissões Municipais de Estatística Agropecuária até a primeira semana do próximo mês.
"Os dados são parciais, mas mostram perda média superior a 60%. Infelizmente, a tendência é o quadro piorar e a situação é bastante crítica", disse a coordenadora do grupo, Regina Dias.

Redução
Segundo o GCEA, a safra de milho terá uma frustração acima de 70% e a de feijão-de-corda e a de arroz de 60%. Além da queda da colheita, houve, neste ano, redução da área de cultivo em torno de 20%.
A safra de grãos de cultivo de sequeiro (aquele que depende exclusivamente das chuvas) está comprometida, neste ano, no Estado.
Depois de cinco anos seguidos de chuvas abaixo da média e de frustração de safra, o quadro de esvaziamento no campo se agrava no Interior.
O aumento do preço dos insumos básicos em um índice bem maior do que os valores dos grãos, aliado à escassez de água, está inviabilizando a pequena e média agricultura no sertão.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe