Ministro é hostilizado durante evento em Fortaleza

A primeira visita ao Ceará de um ministro do governo interino de Michel Temer (PMDB) foi marcada por protestos, confrontos e xingamentos. 
Titular do Ministério da Saúde, Ricardo Barros (PP) foi hostilizado no Centro de Eventos do Estado na noite de ontem, quando falaria durante abertura do 32º Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde. O discurso, entretanto, foi cancelado por causa dos protestos. 
Houve tensão antes da conferência de abertura, quando cerca de 80 integrantes do grupo “Médicos pela Democracia” e outros movimentos anti-Temer tentaram entrar no auditório principal em que o ministro falaria. Mas seguranças montaram bloqueio que impediu a entrada dos manifestantes. Os dois lados entraram em conflito. Ninguém se feriu. 

Manifestação 
Vice-líder do PT na Câmara Municipal e um dos presentes ao ato, o vereador Deodato Ramalho chegou a ser empurrado por um seguranças. Ex-secretário estadual da Saúde, Arruda Bastos também foi empurrado. 
Os dois tentaram negociar a entrada do grupo no auditório.
Após a confusão, os manifestantes conseguiram entrar no auditório. Eles vaiaram qualquer discurso que fizesse menção a Ricardo Barros, mas o ministro não esboçou qualquer reação na mesa, onde esteve sentado ao lado da vice-governadora Izolda Cela e do prefeito Roberto Cláudio (PDT). 
“Estamos aqui para que nenhum direito à saúde seja tomado, porque esse governo quer reduzir o SUS. Estamos preocupados porque a saúde precisa de mais recursos e não de menos”, disse o médico Manoel Fonseca, integrante do “Médicos pela Democracia”, referindo-se à declaração de Barros sobre redimensionamento do SUS, logo após assumir a pasta - o ministro voltaria atrás depois. 
“O Governo está propondo limite de gastos públicos que alcançará todas as áreas. Apesar de saber que os cortes estão presentes em todas as áreas do governo, temos pedido ao Ministério da Fazenda que a saúde seja preservada. Vamos aguardar a decisão da equipe econômica”, afirmou o ministro em coletiva.
Ricardo Barros também informou que a saúde tem orçamento este ano de R$ 118 bilhões. Ele disse ter pedido descontingenciamento de outros R$ 5 bilhões para executar todos os recursos disponíveis no orçamento da União.
Antes do fim da cerimônia no Centro de Eventos, cerca de 35 membros da Guarda Municipal foram acionados para garantir a segurança no local.

O POVO Online
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe