Quanto custa ter um filho?

A cada ano, o número de filhos das famílias brasileiras vem diminuindo. Famílias com três ou quatro filhos ficaram, definitivamente, no passado. No cenário atual, ter um filho já é sinal de coragem, ter dois então, nem se fala!
Se pararmos para analisar, essa modificação demográfica tem uma série de causas e uma delas é a financeira. Ter um filho implica muitas responsabilidades: educar, brincar, acompanhar, alimentar e por aí vai.
Para a maioria dessas necessidades, de uma maneira ou de outra, são necessários recursos financeiros. Tudo custa dinheiro. Babá, escola, fralda, leite, plano de saúde, brinquedos... para onde se olhar existe um gasto embutido.
Some-se a isso os gastos que se tem com enxoval, pré-natal e, muitas vezes, a necessidade da troca do carro ou da casa por uma maior que comporte o novo integrante da família. Ter filho não é brincadeira. Custa caro... muito caro.
Um estudo realizado pelo INVENT – Instituto Nacional de Vendas e Trade Marketing – pesquisando mais de trezentas famílias chegou aos valores. Se você achava que era caro ter filho, agora saberá exatamente o quão caro é.
Dos 0 aos 23 anos, um filho custa: para famílias com renda mensal de até R$2 mil, R$53,7 mil; para famílias com renda entre R$2 mil e R$6 mil, R$407,1 mil; para famílias com renda entre R$6 mil e R$25 mil por mês, R$948,1 mil; e para famílias com renda superior a R$25 mil mensais, esse valor pode ultrapassar os R$2 milhões!
Se R$1 milhão já é dinheiro que não acaba mais, imagina R$2 milhões. 
Números como esses explicam porque o mercado pet tem crescido tanto nos últimos anos. Afinal de contas, não é todo mundo que está disposto a gastar – ou investir – uma pequena fortuna em um novo membro familiar.
Pelo amor de Deus, não estou dizendo para você abrir mão de um filho para comprar um cachorro. Jamais diria isso! A mensagem que este artigo quer passar é uma só: filho custa caro e como tudo que é caro e queremos ter em nossa vida, devemos planejar da maneira adequada para termos condições de realizar nossos sonhos.
Além do planejamento financeiro, a chegada de um filho também implica em um planejamento de carreira. Afinal, é provável que após o nascimento da criança, a carga-horária dos pais dedicada ao trabalho diminua, o que pode implicar perda na renda ou dificuldades em ascender profissionalmente.
Ter filhos é uma escolha. Não uma escolha financeira, mas sim uma escolha de vida. Um filho é uma parte de você que vai ficar para perpetuar seus ensinamentos, seus valores, a mensagem que você quer deixar ao mundo. O filho é o legado que deixamos para a posteridade.
Portanto, se você está pensando em ter um filho, a palavra de ordem é planejamento. 
Ser pai ou mãe é uma das coisas que não tem preço, mas certamente tem um valor enorme!

Samuel Magalhães
Coach especializado em Finanças e Negócios, fundador do Portal www.invistafacil.com e colunista do portal A Voz de Santa Quitéria.
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe