Rebelião na Cadeia Pública de Santa Quitéria: Segunda de tensão e desespero

Uma segunda de muita tensão em Santa Quitéria. Por todo o dia, a cidade assistiu a uma rebelião deflagrada logo pela manhã pelos detentos da Cadeia Pública.
Enquanto dois detentos eram feitos reféns, os demais internos ateavam fogo em colchões e arrancavam grades das celas, deixando um verdadeiro rastro de destruição no local.

Do lado de fora, familiares dos presos e curiosos se aglomeravam em frente a Cadeia em busca de informações. Sem muitas respostas, restava apenas a tensão e o desespero.
Na entrada das equipes do Cotar, autorizada pela promotora titular da 1ª Vara Dra. Marina Romagna, balas de borracha e bombas de efeito moral.



Um forte aparato policial foi acionado, mobilizando os policiais locais e de municípios vizinhos, como também, Cotar, Ciopaer e GAP, que contornaram a situação no final da tarde.
Os detentos reféns foram identificados como Francisco de Sousa, que foi lesionado a faca no braço e Carlos José de Marques Félix, no braço e na testa. Ambos foram socorridos para o Hospital local e passam bem.

Transferências
Por decisão do Juiz Dr. Raynes Viana de Vasconcelos, os presos foram transferidos em ônibus da Prefeitura Municipal ainda na noite de ontem para presídios nos municípios de Juazeiro do Norte, Amontada e Sobral.
Uma das razões que motivaram as transferências foi a superlotação. A capacidade da Cadeia Pública de Santa Quitéria é para 50 internos, mas atualmente abriga 87 e com a destruição na rebelião, ficou completamente destruída, sem condições para receber detentos.
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe