Eunício Oliveira teria recebido R$ 5 milhões em caixa dois, afirma delator

O ex-diretor da Hypermarcas, Nelson Mello, afirmou em sua delação premiada que pagou, por meio de contratos fictícios, R$ 5 milhões em caixa dois para a campanha do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) ao governo do Ceará em 2014. Procurada pela reportagem, a defesa do cearense nega as acusações.
O ministro Teori Zavascki, que autorizou as buscas, escreveu no despacho que "os elementos fáticos descritos dão conta, ao menos em tese, de vários repasses de propina que seriam destinadas a integrantes do Senado Federal, por intermédio de Milton de Oliveira Lyra Filho". O caso mais detalhado é o do senador Eunício Oliveira .
O pagamento teria ocorrido a pedido do lobista Milton Lyra, que foi alvo de buscas determinadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (1º) - ele é ligado à cúpula do PMDB no Senado.
Segundo Nelson Mello, Lyra lhe informou que um emissário de Eunício o procuraria em 2014 e então um sobrinho do senador, de nome Ricardo, pediu ajuda financeira à candidatura. "Pagou despesas de empresas que prestava serviços à campanha de Eunício Oliveira; que ajudou mediante contratos fictícios", disse.
O delator informou que foram firmados contratos fictícios com três empresas, sem a prestação de nenhum serviço. "Ao final se providenciou uma nova nota fiscal para totalizar R$ 5 milhões", relatou.

Contratos
Nelson Mello relatou ter firmado diversos contratos fictícios com empresas de Milton Lyra que, segundo ele, eram solicitadas pelo lobista como pedido de "ajuda para os 'amigos'", mas sem especificar quem receberia os recursos.
Para Nelson Mello, "os amigos seriam os senadores apresentados pelo Milton Lyra" em um jantar, mas nunca houve referência nominal a eles nos pedidos. Os senadores citados como os que havia conhecido eram, além de Eunício, Eduardo Braga (PMDB-AM), Romero Jucá (PMDB-RR) e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).
Os contratos fictícios com Lyra para ajudar "os amigos" totalizaram R$ 15,7 milhões, segundo depoimento do delator que consta do pedido de busca e apreensão contra o lobista.

Outro lado
Nesta semana, a Hypermarcas divulgou nota afirmando que não é objeto da investigação e que "não se beneficiou de quaisquer dos atos praticados". Informou ainda que acertou acordo com Mello por meio do qual "assegurou ressarcimento integral pelos prejuízos sofridos". Diz também que ele "autorizou, por iniciativa própria, despesas sem as devidas comprovações das prestações de serviços".
Os senadores Renan, Jucá e Braga tem negado o recebimento de propina ou envolvimento com irregularidades. 

Advogado de Eunício nega
O advogado do senador Eunício Olíveira, Antonio Carlos de Almeida Castro, a delação parte de uma base falsa e Milton Lyra não conhece o Ricardo. Segundo o advogado, Lyra só esteve com o senador do Ceará em 2 ou 3 ocasiões e não intercedeu por ele. 
"Estamos tranquilos, a campanha foi toda aprovada. A base da denúncia do Nelson não é verdadeira. Estive pessoalmente com Milton Lyra e ele disse que não conhece Ricardo", afirma.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe