Ex-marqueteiro do PT faz acordo para iniciar delação premiada

O ex-marqueteiro do PT, João Santana, e a mulher e sócia dele, Mônica Moura, assinaram termo de confidencialidade na Procuradoria-Geral da República (PGR), o documento inicia o processo de delação premiada. O acordo ainda se encontra em fase de negociação, ou seja, eles ainda não prestaram depoimentos. As informações são do jornal O Globo.
O termo de confidencialidade é uma espécie de pré-delação que antecede a assinatura do acordo feito com a Justiça. Nesta quinta-feira (21), os dois estarão reunidos pela primeira vez de frente com o juiz Sérgio Moro, que determinou a prisão do casal, preso em Curitiba há 5 meses. 
Em abril, Mônica tentou fechar o acordo de colaboração individualmente, o que não foi aceito pelos procuradores. Inicialmente os dois ficaram separados, mas a pedido dos advogados e com a autorização do Ministério Público os dois foram transferidos para a carceragem da Superintendência da Polícia Federal na capital paranaense. 
Os dois respondem por uma ação penal por corrupção passiva e lavagem de dinheiro num esquema onde teriam recebido US$ 4,5 milhões (cerca de R$ 14,6 milhões) entre 2013 e 2014. O dinheiro teria partido do engenheiro Zwi Skornick, do estaleiro Keppel Fels, fornecedor da Petrobras. O montante seria para financiar a campanha pela reeleição da presidente afastada Dilma Rousseff.

Redação Web
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe