Material genético encontrado pode elucidar morte do prefeito de Nova Olinda

Material genético encontrado em evidências localizadas no local onde o prefeito de Nova Olinda Francisco Ronaldo Sampaio (PDT) foi achado morto poderá ajudar a Polícia a entender a causa da morte do gestor. Os vestígios de sangue e pelos foram percebidos no cinto que estava em volta do pescoço do homem. Os materiais foram encaminhados para a Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce). A morte está sendo investigada e é tratada pela Polícia como suicídio, mas os investigadores não descartam outras hipóteses.
Para a manhã de hoje, estão marcados dois depoimentos na Delegacia Regional do Crato, que apura a morte. O primeiro, será da principal testemunha do caso, a chefe de gabinete Maria da Conceição, que estava com Sampaio antes dele ser encontrado morto. O outro, de um familiar do prefeito.
Francisco Ronaldo Sampaio foi encontrado morto na tarde da última quarta-feira (27) na Floresta Nacional do Araripe (Flona). No fim da tarde de ontem, o corpo do prefeito foi sepultado na cidade onde o gestor nasceu, Antonina do Norte, distante aproximadamente 473Km da Capital. O velório teve início ainda na noite de quarta-feira, em Nova Olinda. O corpo foi levado no começo da madrugada de quinta-feira para a outra cidade, onde foi sepultado após velório que durou todo o dia.

Mandado de prisão
Contra Ronaldo havia um mandado de prisão em aberto, de acordo com o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE). Investigado por supostas ações irregulares como a contratação da namorada como funcionária fantasma, além de contratos superfaturados de compra de itens. Segundo o MP, o prefeito estaria "atrapalhando as investigações", fato este que motivou o pedido de prisão.
O promotor de Justiça da Comarca de Nova Olinda, Daniel Lira, explicou que com o início das investigações de irregularidades na Prefeitura, novas informações surgiram, que levaram o MP a entrar com pedido de prisão contra o prefeito. "A partir de trabalhos do Judiciário, MPCE e Câmara Municipal, começaram a ser levantadas situações de improbidade e crimes na administração pública. A partir disso, surgiram denunciantes. Tudo foi capitalizado em um procedimento de investigação, resultando em ações contra o gestor. Havia mandado de prisão contra ele, no Tribunal de Justiça (TJCE), a pedido da Procuradoria de Justiça", disse.
Conforme Lira, o volume de informações obtidas pelos investigadores aumentou com o afastamento de Ronaldo Sampaio das funções à frente da Prefeitura. O gestor obteve, através de liminares da Justiça, o direito a retornar ao cargo.
"Havia licitações de compra de pneus nunca entregues, contas pessoais do prefeito pagas pela administração pública, licitações irregulares e fraudulentas. Isso criou um clima de pressão política muito forte. O processo se agigantou e hoje (ontem) o prefeito deveria ser ouvido na Câmara dos Vereadores, mas em razão da fatalidade o processo se abreviou", apontou.

Mais suspeitos
Os trabalhos que investigam as supostas ações criminosas ocorrendo na administração de Nova Olinda, contudo, seguirão, de acordo com o promotor de Justiça Daniel Lira.
"Outras pessoas envolvidas no suposto esquema ainda permanecem investigadas. Temos ações de improbidade e ação criminal no TJCE, com pedido de prisão, por ele estar atrapalhando as investigações. O pedido foi encaminhado pela Procuradoria de Justiça dos Crimes contra a Administração Pública (Procap) de Fortaleza há uns dois meses, em data anterior à denúncia do procurador-geral do Município", explicou Lira.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe