CFM diz que planos de saúde populares só beneficiariam empresas

O Conselho Federal de Medicina criticou nessa sexta-feira (5) a proposta do Ministério da Saúde de criar planos de saúde populares. Para a entidade médica, os serviços só beneficiariam os empresários da saúde suplementar.
O ministro da Saúde, Ricardo Barros, tem defendido a criação de planos de saúde mais baratos como forma de desafogar a rede pública, já que mais pessoas iriam para o atendimento privado.
O ministério criou um grupo de trabalho para discutir o formato destes planos populares, mas a ideia inicial é que tenham cobertura menor do que a estabelecida atualmente como obrigatória pela Agência Nacional de Saúde.
Para o CFM, a proposta não é a solução para os problemas do Sistema Único de Saúde, pois os planos populares seriam limitados a consultas ambulatoriais e a exames subsidiários de menor complexidade. “Portanto, não evitarão a procura pela rede pública ou impacto prejudicial ao financiamento do SUS”, disse a entidade em nota.
O conselho argumenta que o fortalecimento da rede pública passa pelo aumento de verbas, aperfeiçoamento de mecanismos de gestão, criação de políticas públicas de valorização profissional e pelo combate à corrupção.
O Conselho Nacional de Saúde e a Associação Brasileira de Saúde Coletiva também se manifestaram contra a proposta do ministro. Segunda as entidades, os planos de saúde econômicos enfraqueceriam o SUS, que precisa de mais financiamento.

Agência Brasil
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe