Ginecologista é condenado a 130 anos de prisão por estupro

O Tribunal de Justiça de Rondônia condenou o médico ginecologista Pedro Augusto Ramos da Silva, 59, a 130 anos de prisão pelo estupro 15 pacientes em Ariquemes (204 km de Porto Velho).
O médico agia de forma semelhante em todos os casos. Segundo a Justiça, ele mandava as pacientes tirarem a roupa e deitarem na maca, mas durante o exame ginecológico ele as masturbava.
Os abusos ocorreram entre setembro de 2014 e fevereiro de 2015 em um hospital particular, um posto de saúde municipal e no hospital regional da cidade. Entre as vítimas do médico estavam uma mulher que o procurou devido a um aborto espontâneo e uma grávida.
Pelos estupros praticados a cada paciente, o médico foi condenado a 130 anos de prisão - foram 15 condenações de 8 anos e 8 meses por estupros praticados no consultório do réu, que registra antecedentes criminais, inclusive com condenação criminal nas comarcas de Feijó-AC e Porto dos Gaúchos-MT. Ele está preso desde fevereiro de 2015 na Casa de Detenção de Ariquemes.
A juíza Cláudia Mara da Silva Faleiros Fernandes disse que as vítimas são "mulheres corajosas, resilientes, que enfrentaram um obstáculo talvez inatingível, passaram por cima de sua própria intimidade para impedir que outras incontáveis mulheres viessem a serem vítimas de fatos semelhantes".

Redação Web
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe