Bancários rejeitam aumento de 7% e decidem continuar greve por tempo indeterminado

Os bancários rejeitaram a nova proposta de reajuste salarial dos bancos, apresentada nesta sexta-feira (9), e seguem em greve nacional. A Fenaban (braço sindical da Febraban, que representa os bancos)ofereceu aumento de 7% no salário e demais benefícios mais um abono de R$ 3.300. Haverá uma nova rodada de negociações na próxima terça-feira (13).
Segundo a categoria, a nova proposta ainda é insuficiente e segue abaixo da inflação do período, que é de 9,62% até agosto. No começo da greve, a oferta dos bancos era aumento de 6,5% e abono de R$ 3.000.
Bancários iniciaram a paralisação na última terça (6) pedindo reajuste de 5% mais a inflação do período, e também o equivalente a um salário mínimo de benefícios como vale refeição, vale alimentação e auxílio creche.
Nesta quinta (8), a paralisação dos bancários fechou 8.000 agências no País, 35,9% das cerca de 20 mil agências que estão sob o guarda-chuva da Contraf (confederação que representa os trabalhadores do setor financeiro). Houve um crescimento de 13% na adesão quando comparada com a terça-feira (6), início da greve.
Em 2015, a greve se iniciou em outubro, durou 21 dias e garantiu à categoria um reajuste de 10%, com aumento real de 0,11%.

Folhapress
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe