Cearense é eleita mulher mais influente do país por brasileiras

Por meio de uma pesquisa feita pelo Instituto QualiBest, 620 brasileiras elegeram as 12 mulheres mais influentes do país. Dentre elas, está a cearense ativista pelos direitos da mulher, Maria da Penha.
Vítima de agressão pelo marido, Maria da Penha inspirou a luta pela quebra do silêncio por parte do estado em relação à violência sofrida por muitas mulheres e deu nome à lei que pune os crimes domésticos, Lei Maria da Penha.

A pesquisa
Intitulado “A Flor deste botão: a novíssima geração das mulheres brasileiras”, o estudo tem como objetivo investigar valores, atitudes e comportamentos da Geração Z relacionados ao fato de ser mulher e à beleza. Em busca de contrastes e similaridades, foram ouvidas mulheres da Geração X.
“Utilizamos a abordagem por meio de blogs, diários digitais, netnografia no Facebook, vídeos auto-filmados, WhatsApp e questionários online”, diz Daniela Chammas Daud Malouf, diretora do Instituto Qualibest. Jovens entre 13 e 20 e adultas entre 35 e 45 anos puderam mostrar suas perspectivas sobre o tema e elegeram 12 nomes, todos escolhidos por elas.
O resultado foi um “Calendário das mulheres notáveis brasileiras” que retrata a visão dessas gerações sobre quem se destaca como mulher no Brasil. Os perfis das brasileiras influentes são variados: de artistas a jornalistas, esportistas a ativistas (como a Maria da Penha), das mais sérias às mais rebeldes, das mais jovens às mais velhas, o que revela o olhar múltiplo e diversificado dessas meninas da geração Z.

Geração Z: nascidos a partir de 1991 (11-19 anos);
Geração X: nascidos nas décadas de 60 e 70.

Tribuna do Ceará
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe