Publicidade

Em discurso na ONU, Temer diz que impeachment respeitou Constituição

Em seu primeiro discurso na Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) como presidente, Michel Temer defendeu nesta terça (20) a legitimidade do processo que levou ao impeachment de Dilma Rousseff e disse que no Brasil ninguém está imune à ação da lei.
"O Brasil acaba de atravessar processo longo e complexo, regrado e conduzido pelo Congresso Nacional e pela Suprema Corte brasileira, que culminou em um impedimento. Tudo transcorreu dentro do mais absoluto respeito à ordem constitucional. Não há democracia sem Estado de direito -sem normas que se apliquem a todos, inclusive aos mais poderosos", disse Temer.
Segundo o presidente, o Brasil vive um processo de "depuração política", que demonstra a força de suas instituições.
"Temos um Judiciário independente, um Ministério Público atuante, e órgãos do Executivo e do Legislativo que cumprem seu dever. Não prevalecem vontades isoladas, mas a força das instituições, sob o olhar atento de uma sociedade plural e de uma imprensa inteiramente livre", afirmou.
O presidente também ressaltou a importância de retomar o crescimento econômico, o que exigirá "responsabilidade fiscal" e responsabilidade social". Nesse momento, Temer aproveitou para ressaltar o papel central em sua política econômica do Programa de Parcerias de Investimento (PPI), com o qual o governo busca tornar mais ágil o modelo de concessões e privatizações.
"Nossa tarefa, agora, é retomar o crescimento econômico e restituir aos trabalhadores brasileiros milhões de empregos perdidos", afirmou. "A confiança já começa a restabelecer-se, e um horizonte mais próspero já começa a desenhar-se. Nosso projeto de desenvolvimento passa, principalmente, por parcerias em investimentos, em comércio, em ciência e tecnologia. Nossas relações com países de todos os continentes serão, aqui, decisivas."
A menção ao impeachment e à transição política no Brasil foi feita no fim de um discurso em que Temer falou sobre as prioridades do país em política externa e cobrou mudanças da ONU para que a entidade possa lidar com o "déficit de ordem" que há no mundo.
Para isso, reiterou uma antiga reivindicação do Brasil, a reforma do Conselho de Segurança.
"Queremos uma ONU de resultados, capaz de enfrentar os grandes desafios do nosso tempo. Nossos debates e negociações não podem confinar-se a estas salas e corredores", disse. "Os semeadores de conflitos reinventaram-se. As instituições multilaterais, não. O Brasil vem alertando, há décadas, que é fundamental tornar mais representativas as estruturas de governança global, muitas delas envelhecidas e desconectadas da realidade. Há que reformar o Conselho de Segurança da ONU."

Folhapress
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe