Pequenos produtores serão beneficiados com reajuste do preço do leite

Mais de dois mil produtores rurais de 47 municípios do Interior do Ceará serão beneficiados com reajuste no preço do litro de leite de bovinos e caprinos já a partir deste mês. A medida vai beneficiar criadores e laticínios. A decisão foi tomada pelo Grupo Gestor do Governo Federal após análise de estudo técnico apresentado pela Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA). O preço do litro de leite de bovino passará de R$ 1,05 para R$ 1,21 e caprino de R$ 1,29 para R$ 1,65. O reajuste vai beneficiar os criadores que fornecem o produto para o Programa de Aquisição de Alimentos - Leite (PAA-Leite) do Governo Federal em parceria com os governos estaduais e municipais.
O reajuste, em média, de 15% faz parte do levantamento técnico feito pelo Grupo Gestor do Governo Federal junto com a SDA referente ao preço praticado em todo o Estado e apresentado para produtores e a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), responsável pela definição de preço e controle da comercialização.
De acordo com a coordenadora estadual do PAA-Leite, Gizele Morais, essa medida é muito importante porque atende a um universo grande de produtores, principalmente do Sertão Central onde está concentrado o maior número de produtores, que passam a ter um incremento na renda em um período difícil de seca, que castiga o Interior do Ceará desde 2012.
No total, serão beneficiados com o aumento do preço do leite 2.200 produtores cadastrados no PAA-Leite e supervisionados pela Coordenadoria do Desenvolvimento Territorial e Combate à Pobreza Rural (Codet), ligada à SDA.
Atualmente, a bacia leiteira do Estado do Ceará é composta por 14 tanques, divididos entre a Região dos Inhamuns (quatro), Vale do Jaguaribe (três), Sertão Central (seis) e mais um no Cariri Oeste.
Para o titular da SDA, Dedé Teixeira, o programa do PAA-Leite e a participação do Governo do Ceará vêm garantindo uma estrutura importante para mais um ano de estiagem.
"Você imagina quanto é movimentado num município de 50 mil habitantes, quando circula mais de cem mil reais com a venda do leite para a Prefeitura, para o comércio e para as escolas", explica o secretário. Ele enfatizou que o PAA-Leite é uma das políticas públicas mais importantes de combate à pobreza rural e que o Estado investiu na reserva alimentar com a produção de sorgo, palma forrageira e feijão, além de comprar caprinos de raças especializadas na produção de leite.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe