Dilma Rousseff 'furou fila' do INSS e aposentou um dia após o impeachment

Menos de 24 após o impeachment, a já ex-presidente Dilma Vana Rousseff conseguiu garantir sua aposentadoria através do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Foi rápido e fácil. Sem precisar de agendamento, ela garantiu a renda mensal de R$ 5.189,82, valor do teto do regime previdenciário.
Dilma não precisou nem mesmo ir à agência. Uma outra mulher tinha uma procuração para representá-la e munida do documento chegou ao local por um acesso de servidores, guiada pelo ex-ministro da Previdência e funcionário de carreira do órgão, Carlos Eduardo Gabas. Os dois se reuniram com o chefe da agência. Não foi nem preciso passar no balcão. As informações foram publicadas pela revista Época.
A ex-presidente teve contabilizados mais de 40 anos de contribuição previdenciária, o que permitiu a ela receber o teto previdenciário. O direito foi regularizado num único encontro. Entretanto, para o cidadão comum, o tempo médio para conseguir uma data para requerer a aposentadoria numa agência da Previdência é de 74 dias. No Distrito Federal, onde Dilma conseguiu a dela, o prazo é de 115 dias.
A aposentada Dilma e Gabas se defenderam e disseram que não houve privilégios ou algum tratamento diferenciado. O atendimento numa sala reservada teria sido uma decisão do chefe da agência. Apesar da reportagem da Época não encontrar registros de agendamento, eles disseram que ele fora feito “meses” antes.

Redação Web
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe