Sacerdote é preso acusado de crimes sexuais em Juazeiro do Norte‏

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por intermédio da Promotoria de Justiça da Comarca de Juazeiro do Norte, prendeu na manhã desta sexta (7) um padre acusado de crimes sexuais contra adolescentes. A denúncia contra o sacerdote foi feita diretamente ao MPCE pela mãe de uma das vítimas que estaria tendo envolvimento com o padre. De acordo com a titular da 6ª Promotoria de Justiça da Juazeiro do Norte, Juliana Mota, o Ministério Público investigou o caso por cerca de dois meses após receber a denúncia. Para preservar a integridade do acusado, o MPCE solicitou que a identidade e imagem do padre não sejam divulgadas.
Nesta sexta-feira, policiais civis das cidades de Crato e Juazeiro do Norte, acompanhados das promotoras Juliana Mota e Alessandra Magda Ribeiro, cumpriram mandados de busca e apreensão, expedidos pela 2ª Vara de Justiça Criminal de Juazeiro. Os mandados foram cumpridos em dois endereços, onde foram apreendidos celulares, computadores e HDs externos de propriedade do padre.
O sacerdote, que é natural de Várzea Alegre, está sendo acusado de exploração sexual de acordo com o artigo 218-B do Código Penal: “Submeter, induzir ou atrair à prostituição ou outra forma de exploração sexual alguém menor de 18 (dezoito) anos ou que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, facilitá-la, impedir ou dificultar que a abandone”. O nome e a foto dele não foram divulgados a pedido do MPCE, pois o caso “corre em segredo de Justiça, para preservar as crianças vítimas”.
Ele foi ouvido pelos promotores na sede do MPCE em Juazeiro do Norte e, em seguida, levado para a Penitenciária Industrial Regional do Cariri (PIRC). O suspeito estava como vigário na Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, em Crato, além de já ter sido pároco da Igreja de São Vicente de Paulo, em Barbalha, e da Paróquia do Menino Jesus de Praga, em Juazeiro do Norte.
Em nota, a diocese de Crato diz ter “sido pega de surpresa com o mandato de prisão do padre acusado de cometer crime de pedofilia. Diante disso a assessoria jurídica da diocese já foi acionada e está acompanhando o caso. Dentro do processo interno da Igreja, a diocese também está tomando as devidas providenciais”.
Ainda segundo a diocese, já foi baixado o Decreto de Suspensão a Divinis, que suspende imediatamente a ordem do padre, “o que significa dizer que ele não poderá mais exercer as funções sacerdotais, podendo vir a ser demitido do estado clerical, após a conclusão do processo”. A decisão foi tomada de acordo com o Código de Direito Canônico, que rege a doutrina católica. Por fim, a diocese de Crato reiterou que “presa pelo amor a Deus e ao próximo e não admite nenhum tipo de injustiça praticada contra aqueles a quem Deus nos confiou cuidar”.

Diário Cariri
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe