Após polêmicas, Câmara recua e adia votação da anistia ao caixa 2

Pela segunda vez no ano fracassou nesta quinta-feira (24) a tentativa da Câmara dos Deputados de aprovar uma alteração na legislação para anistiar o caixa 2 eleitoral, tema de alto interesse dos políticos alvos da Operação Lava Jato.
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, decidiu adiar para terça-feira a votação das medidas de combate à corrupção (PL 4850/16). Ele disse que, de hoje até a semana que vem, vai se reunir com líderes e presidentes de partido para tratar sobre a proposta, aprovada na madrugada de hoje pela comissão especial. 
“Não pode sem debate e não precisamos de afogadilho nem aprovar 100% do relatório, nem rejeitar 100% do relatório”, disse.
Maia ressaltou que a decisão do Plenário é soberana e negou que haja qualquer manobra para aprovar ou rejeitar qualquer texto. “O nosso Plenário tem independência para votar todas as matérias, para aprovar qualquer texto, para rejeitar qualquer texto e ninguém pode se sentir prejudicado por esta decisão soberana”, disse.
Assim como na primeira vez, as articulações envolveram o Rodrigo Maia (DEM-RJ), líderes de alguns dos principais partidos, de esquerda e de direita, e foram feitas quase que exclusivamente a portas fechadas.
Ele também negou que haja articulações para incluir na medida a anistia ao caixa dois eleitoral. “Vamos acabar com essa discussão de anistia, não há anistia de um crime que não existe. É só um jogo de palavras para enfraquecer e desmoralizar o Parlamento”, disse.
A anistia seria inserida no pacote de medidas contra a corrupção apresentado pelo Ministério Público em março. Com a falta de consenso e a polêmica. não há prazo para que os temas sejam votados no plenário.
O pacote foi aprovado em confusa sessão da comissão especial no final da noite desta quarta (23).

Folhapress e Agência Câmara
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe