PF confirma indiciamento da primeira-dama do Ceará por compra de votos

A primeira-dama do Estado, Onélia Santana, foi indiciada pela Polícia Federal por compra de votos na eleição municipal deste ano em Barbalha, no Cariri. A denúncia também a inclui nos crimes de associação criminosa e ameaças a eleitores.
A informação foi divulgada nesta segunda-feira (12) pelo site da revista Época e confirmada pelo Diário do Nordeste através de uma fonte da PF. Segundo a investigação, Onélia teria atuado em benefício do candidato à Prefeitura de Barbalha, Fernando Santana (PT), que também foi indiciado. Ele foi assessor de gabinete do governador Camilo Santana.

Porta-voz também é indiciado
Uma fonte da Polícia Federal também confirmou  o indiciamento do porta-voz do Governo do Estado, o jornalista Thiago Cafardo, e da assessora da primeira-dama, Ana Quitéria.

Governador cancela presença em anúncio
O governador participaria hoje do anúncio do Plano de Sustentabilidade para o Desenvolvimento do Estado do Ceará, em solenidade no Palácio da Abolição, mas a presença dele no evento foi cancelada, segundo a assessoria de imprensa do Governo do Estado. 

Investigação
A investigação foi iniciada com a prisão em flagrante da assessora da primeira-dama, Ana Quitéria, em Juazeiro do Norte, dois dias antes da eleição (2 de outubro). Com ela, foram encontrados R$ 50 mil em dinheiro vivo, separados por envelopes, e material da campanha de Fernando Santana, derrotado no pleito. Ana Quitéria está entre os indiciados.
Segundo a PF, Onélia Santana e as pessoas ligadas a ela usariam o dinheiro para a compra de votos. Ainda segundo o órgão, a primeira-dama ameaçava os eleitores dizendo que, em caso de derrota, o Governo do Estado não enviaria dinheiro para o município de Barbalha.
Procurada, a assessoria da primeira-dama encaminhou a demanda para o Governo do Estado que, por sua vez, informou que não iria se pronunciar sobre o caso.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe