Presidente da Chape confirma amistoso entre Brasil e Colômbia para ajudar vítimas

O presidente em exercício da Chapecoense, Ivan Tozzo, afirmou nesta segunda-feira (5) que a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) vai realizar um amistoso entre a Seleção Brasileira e a seleção colombiana para ajudar as famílias dos jogadores vítimas do acidente aéreo ocorrido na madrugada da última terça-feira (29), na região de Medellín, na Colômbia.
De acordo com o dirigente, a partida deverá ser realizada em janeiro. O estádio será escolhido pelo clube catarinense.
"O jogo pode acontecer no Maracanã, no Rio Grande do Sul ou até na Arena Condá. Vamos definir e passar um posicionamento para a CBF. Será muito importante para ajudar as famílias dos jogadores vítimas do acidente", disse Ivan Tozzo em entrevista coletiva.
"Essa será a ajuda principal. Foi o maior presente que podemos ganhar financeiramente. O que a CBF fez foi fantástico, foi formidável. A Conmebol e a Fifa também ajudaram bastante. Tivemos apoio total e agora temos que tocar o barco para a frente", acrescentou.
A Chapecoense explicou também como funcionou o seguro de vida para a família dos 19 jogadores mortos no acidente, além da comissão técnica. Segundo o departamento jurídico da equipe, os familiares vão receber 14 vezes o salário de cada um dos atletas, de acordo com a apólice feita pelo clube. Já a CBF pagará 12 vezes -o teto salarial do clube era de R$ 90 mil.

Sem partida
O presidente em exercício da Chapecoense afirmou também nesta segunda (5) que a partida contra o Atlético-MG, válido pela última rodada do Campeonato Brasileiro, não será realizada. Inicialmente marcado para o dia 4, o jogo foi transferido para o dia 11 em virtude do acidente aéreo que matou 71 pessoas, incluindo 19 jogadores, 24 membros da delegação e 20 jornalistas.
O clube mineiro já enviou um ofício para a entidade que não comparecerá ao jogo. A equipe catarinense também não entrará em campo. Assim, os dois clubes perderão três pontos da partida e podem receber multa de R$ 100 a R$ 100 mil.
À reportagem, o presidente do STJD, Ronaldo Botelho Piacente, afirmou na semana passada que caso os dois clubes não aparecessem em campo o caso "seria único e deverá ser analisado com carinho em relação à multa".
A CBF explicou que não existe um artigo no regulamento que permite que ela cancele a partida. Por isso, mandará um árbitro para Chapecó para que o W.O seja confirmado e conste na súmula.

Redação Web
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe