Agentes penitenciários do Ceará são enviados para conter crise no Rio Grande do Norte

Um grupo de dez agentes penitenciários especializados em intervenção penitenciária foram enviados do Ceará para compor a  Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP) que atua no Rio Grande do Norte. A medida foi instituída pelo Ministério da Justiça e Cidadania para auxiliar na gestão da crise do Sistema Penitenciário potiguar. Os agentes foram cedidos por 30 dias, mas o período pode ser prorrogado, como prevê a portaria. 
Além do Ceará, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal também enviaram agentes. De acordo com a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) do Ceará, 70 agentes de segurança farão a  guarda, vigilância e custódia de presos em caráter extraordinário. “O objetivo é controlar a situação de caos nos estabelecimentos penais. A solicitação para a Secretaria da Justiça e Cidadania do Ceará colaborar com o efetivo veio em função de o Estado contar com um grupo especializado cujo trabalho tem reconhecimento nacional”, informou a Instituição, por meio de nota. 
Os 10 agentes enviados integram o Grupo de Ações Penitenciárias Especiais (Gape). “Os agentes penitenciários são quem de fato conhecem a rotina prisional, as atividades e intervenções necessárias para agir em um momento de crise como esse. Os grupos táticos têm uma função muito importante, nesse momento”, destaca o coordenador operacional do Sistema Penitenciário (Cosipe), Alexandre Leite.
A secretária da Justiça do Estado, Socorro França, considera que o pedido é um reconhecimento. “Nossos grupos táticos têm toda a expertise para atuar em momentos como esse. Acreditamos que receber esse pedido do Ministério da Justiça é uma chancela ao trabalho que vem sendo feito no Ceará”, pontua.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe