"Justiça ou cemitério para bandidos", afirma secretário

O secretário de Segurança Pública, André Costa, afirmou, na tarde deste sábado (28), que "a partir de agora nós vamos oferecer duas opções para os bandidos, a Justiça ou o cemitério". A declaração foi feita durante coletiva de imprensa onde foram apresentados os suspeitos de terem matado o cabo da Polícia Militar Francisco Arlindo da Silva Vieira Filho. Segundo a SSPDS André Lima Firmiano, 27, e Marcelo Gabriel dos Santos Lima, 20, o Biel, foram presos em uma pousada abandonada em Prainha, no município de Aquiraz. Marcelo Gabriel confessou ter efetuado o disparo que vitimou o militar.
Durante a coletiva, a delegada Socorro Portela, diretora da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), disse que a ação foi um trabalho de integração da Perícia Forense, Polícia Civil, Polícia Militar, Coin (Coordenadoria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública), Ciopaer e Corpo de Bombeiros. A delegada explicou também como foram conduzidas as investigações que levaram à prisão dos suspeitos. "Nós recebemos denúncias através do 181 e do 190 sobre o veículo utilizado na fuga e o nome de um dos suspeitos".
A delegada revela que a padaria onde ocorreu o crime não dispunha de câmeras e que imagens coletadas nas proximidades estavam com qualidade ruim. "Foi com informações da população e o trabalho de investigação, que nós fomos ao local indicado nas denúncias e conseguimos fazer os levantamentos que culminaram com a prisão dos dois". Os suspeitos estavam na localidade Prainha, no município de Aquiraz. "Eles foram encontrados em frente a praia numa pousada abandonada. Um foi preso próximo essa pousada e outro dentro da imóvel". Marcelo Gabriel foi o primeiro a ser preso e confessou ter matado o PM, já responde a três procedimentos por roubo.  André Firmiano responde por cinco procedimentos policiais por furto, porte ilegal de arma de fogo, tráfico de drogas e receptação. A delegada disse ainda que nenhum apresentou resistência. 



O secretário afirma que já tem a identificação dos outros dois envolvidos no crime. "Tinha um que também estava na rua com esses dois presos e mais outro que era um partícipe responsável por realizar a guarda de armas e parte logística dessa quadrilha". André Costa disse ainda que não pode divulgar todos os detalhes da investigação, porque ainda está em andamento. "A gente ainda tem pessoas para serem presas e objetos de crime para serem apreendidos. Se a gente repassar alguns detalhes no momento pode atrapalhar a investigação".
O secretário, que é delegado federal, garante que a Secretaria de Segurança vai tomar medidas mais drásticas para combater o crime. "A gente tomou a decisão de partir pra cima do crime. De agir com força contra esses covardes, esses bandidos covardes que estão todo dia apontando arma na cabeça do cidadão. A gente oferece duas coisas pro bandido: se ele quiser se entregar a gente oferece a Justiça, se ele quiser puxar um uma arma, a gente tem o cemitério pra oferecer a ele".

O crime
De acordo com coronel Ronaldo Viana, comandante geral da PM, na noite da última sexta-feira (27), Francisco Arlindo estava passando próximo da padaria na Rua Curitiba, no bairro Henrique Jorge, quando presenciou um assalto em andamento e interveio. Durante a abordagem ele foi atingido por um tiro na cabeça. "A gente tem por obrigação, já que a gente é treinado pra isso, defender a sociedade", afirmou o comandante.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe