Mais de 30 presos morrem em penitenciária de Roraima

A Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc) do governo de Roraima informou, em nota, que pelo menos 33 presos da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, a maior do Estado, morreram durante a madrugada desta sexta-feira (6). 
De acordo com o Estado, as mortes seriam uma reação do PCC (Primeiro Comando da Capital) ao ocorrido em Manaus, no início da semana, onde 56 detentos foram mortos, no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em uma rebelião contra a facção Família do Norte (FDN), um braço na região do Comando Vermelho (CV). 
Na capital do Amazonas, os mortos eram ligados ao Comando. No novo massacre, eles são, em sua maioria, ligados à FDN.
A ação aconteceu por volta das 2h30 (4h30 no horário de Brasília), quando um grupo de presos deixou as celas e iniciou a chacina.
A secretaria afirma que o Batalhão de Operações Especiais (Bope) e a Polícia Militar (PM) estão no presídio, que fica na capital, Boa Vista. Segundo a nota, a situação na penitenciária está sob controle.
O governo amazonense emitiu alerta ao estado de Roraima na terça-feira (3). O Amazonas informou sobre possíveis confrontos que poderiam ocorrer entre presos nas unidades prisionais do Estado. 

Terceira maior
A matança em Roraima é a terceira maior em número de vítimas em presídios do país desde o massacre do Carandiru, em 1992, em São Paulo, quando uma ação policial deixou 111 presos mortos na casa de detenção.
Nos seis primeiros dias de janeiro, foram registradas 95 mortes em presídios no Brasil. Esse número representa cerca de 25% do total de mortes registradas em todo o ano passado (372).
De acordo com o último relatório do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), a Penitenciária Agrícola de Monte Cristo tem capacidade para 750 apenados, mas abriga 1.398 - um deficit de 648 vagas.
No ano passado, na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, e na Penitenciária Ênio dos Santos Pinheiro, diferenças entre o PCC (Primeiro Comando da Capital) e o Comando Vermelho, causaram a morte de 18 detentos.

Redação Web
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe