PCC é isolado em Manaus e confronto entre facções põe SP e Rio em alerta

O governo do Amazonas decidiu reativar uma cadeia para transferir e manter em segurança detentos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC), que estão recebendo ameaças após as 60 mortes registradas no domingo, 1º, e na segunda-feira, 2, em duas prisões de Manaus. Segundo autoridades que investigam o crime organizado, a medida apenas encerra um capítulo da guerra declarada entre o PCC e o Comando Vermelho (CV). Em São Paulo e no Rio, berços desses grupos, respectivamente, a atenção sobre os líderes dentro das cadeias foi redobrada, para evitar represálias pelo País.
Segundo o Serviço de Inteligência da polícia do Amazonas, 98% da população carcerária - cerca de 10 mil detentos - pertence à organização Família do Norte (FDN), aliada do CV e responsável pelo massacre. Depois das mortes e das transferências, acredita-se que a situação local está controlada - e uma reação do PCC no Estado está descartada.
A guerra entre o PCC e o CV se intensificou em junho, depois do assassinato do narcotraficante Jorge Rafaat Toumani, de 56 anos. O "rei do tráfico" sofreu uma emboscada na fronteira com o Paraguai e o atentado é atribuído a integrantes do PCC. Segundo investigações do Ministério Público Estadual (MPE), o PCC então não dividiu o domínio do tráfico, o que motivou o racha com o CV.
Na sequência, chegaram a 18 os presos mortos em rebeliões em presídios de Boa Vista (Roraima) e Porto Velho (Rondônia), em outubro. Depois, o sistema prisional do Rio teve de transferir integrantes do PCC para presídios ocupados por inimigos do CV. Em São Paulo, o Primeiro Comando chegou a fazer um levantamento de quantos presos de facções de outros Estados estão no sistema para uma eventual represália.
Segundo o promotor Lincoln Gakiya, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, investigações detectaram que o PCC está em todos os Estados, mas enfrenta forte resistência no Norte e no Nordeste. A FDN decidiu acabar com o PCC no Amazonas. Mas não se sabe como o PCC reagirá. "A situação se agrava quando o poder público tem de equacionar facções criminosas rivais em um espaço pequeno e muito limitado. É uma tragédia anunciada", afirma a desembargadora Ivana David, juíza corregedora por dez anos e especialista em crime organizado.
Segundo Gakiya, há uma forte preocupação em isolar a cúpula da organização criminosa paulista, que está, desde o mês passado, no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), na penitenciária de Presidente Bernardes. Na terça-feira, 3, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) procurou minimizar a questão. "Não tem nenhuma relação, aqui não teve problema nenhum", disse. "O que importa é ter prevenção, inteligência, isolar líderes. A lógica do RDD é romper o fluxo de dinheiro. À medida que você isola, tira a comunicação."

No Amazonas
Desativada em outubro por recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), "por graves violações de direitos humanos", a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa começou a receber detentos que saíram do Centro de Detenção Provisória Masculino, do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat) e da Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) - nesta, quatro presos morreram na segunda-feira, 2, em um episódio considerado como continuação do massacre no Complexo Anísio Jobim (Compaj), que deixou 56 mortos. Até o início da noite de terça-feira, 223 detentos haviam sido levados para o centro da capital.
Temendo novos ataques, presos do Ipat chegaram a dar início a um motim na segunda-feira, mas acabaram contidos pela Polícia Militar. Na manhã de terça-feira, foi a vez do Centro de Detenção Provisória Masculina (CDPM), também vizinho ao Ipat e ao Compaj, se agitar. Do lado de fora, familiares demonstravam preocupação. O neto da aposentada Maria Joaquina da Silva Sena, de 76 anos, esperava julgamento na unidade. "Eles estão com medo gritando tanto que daqui de fora dá para ouvir. Isso tem de ser resolvido."
A doméstica Daiane Souza, de 24 anos, fazia coro à reclamação. "Se a gente ficar calada, só vai vir os pedaços, como aconteceu no Compaj", disse ela, cobrando atenção para a situação do irmão que está preso. Diante do massacre no Compaj, que também enfrenta problema de superlotação, o governador do Amazonas, José Melo (PROS), anunciou na segunda-feira a construção de três unidades prisionais em Manaus, Manacapuru e Parintins - a ser iniciada neste ano. O objetivo da administração é ampliar em mais de 4 mil vagas a capacidade prisional.
Além disso, a Polícia Militar passou a integrar a segurança de unidades prisionais de Manaus. Na terça-feira, 3, o secretário de Segurança, Sérgio Fontes, foi questionado se o reforço afetaria o policiamento de rua na capital. Ele disse que, apesar de "o cobertor ser curto", o remanejamento era necessário.
Ele também evitou falar de transferências. "Presos só irão para presídios federais quando as investigações terminarem. Sabemos mais ou menos quem são os líderes porque tratamos com eles na hora da negociação. Mas esse saber não é suficiente. É preciso provar e você só prova com um inquérito formal." Ele ressaltou que agora o "sistema está sob controle".

Estadão Conteúdo
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe