Publicidade

Campanha expõe atraso salarial de 33 prefeituras a médicos

A retração econômica somada à ineficiência administrativa de vários gestores municipais impactou diretamente, nos últimos meses, no pagamento dos servidores. A saúde, tido como um dos setores mais importantes ao lado da educação e segurança, foi uma das áreas mais afetadas. Em pelo menos 33 cidades cearenses, as prefeituras estão em atraso com os pagamentos dos médicos, de acordo com levantamento do Sindicato dos Médicos do Estado do Ceará.
Juazeiro do Norte, a maior cidade do interior cearense, integra essa lista. Nessa semana, o Sindicato estampou o nome do município junto com outros cinco que também estão em débito com os médicos em um outdoor na Avenida Padre Cícero, uma das mais movimentadas do Cariri, região que possui seis cidades ao todo na lista de devedores.
No entanto, a Secretaria de Saúde do Município informou ao Diário do Nordeste que os “profissionais do Programa de Saúde da Família tiveram seus débitos quitados no final de dezembro passado”. Já os médicos plantonistas em unidades de saúde como os Hospitais Maria Amélia e Tasso Ribeiro Jereissati, conhecido como Estefânia Rocha Lima, terão seus vencimentos quitados até a próxima quinta-feira, dia 16, conforme a titular da pasta, Nizete Tavares.

Campanha
Em reposta aos “sucessivos atrasos salariais”, o Sindicato lançou no mês passado a campanha intitulada “Devedometro”, cujo objetivo é divulgar, mensalmente, uma lista das prefeituras e entidades privadas que atrasam ou “praticam calote no pagamento do trabalho médico”. Conforme o Sindicato, os próprios médicos prejudicados estão realizando as denúncias.
“Após recebê-las [as denúncias], o Sindicato percorre, de forma itinerante, os municípios cearenses, visitando unidades de saúde pública e privadas, para confirmar a situação e tentar a resolução. Somente após a confirmação da denúncia e de insucesso na tentativa de resolução administrativa da situação é que são tomadas as medidas jurídicas cabíveis para assegurar o respeito ao trabalho médico e feita a divulgação dos ‘maus pagadores e devedores’ pelas redes sociais oficiais e portal do Sindicato dos Médicos”, pontuou o órgão.
De acordo com a presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará, Mayra Pinheiro, a campanha surgiu após uma grande demanda de denúncias. “É revoltante constatarmos todos os dias que centenas de médicos que dedicam seu tempo, sua energia e seus conhecimentos para salvar vidas possam estar sendo enganados e caloteados em diversas localidades do estado do Ceará. Nenhum profissional deve trabalhar sem receber o fruto sagrado do seu suor. O médico também não”, destacou.
Ainda segundo Mayra, “o Sindicato dos Médicos torna público e expõe para a população os nomes das cidades e unidades que desrespeitam o trabalho médico, e que são responsáveis pelo desestímulo que faz com que os profissionais se recusem a atuar em muitas localidades”. Ela lembra que, devido ao atraso, os profissionais da área da saúde acabam migrando para outros centros, deixando o interior muitas vezes desassistidos.
“Somos acusados de não querermos exercer nosso trabalho no interior do estado, porem não é dito a população, em que condições o médico trabalha nestas localidades, nem o desrespeito profissional, o constrangimento e assedio por que passamos frequentemente”, concluiu. Os profissionais anseiam que, com o início da campanha e a divulgação das prefeituras devedores, alguns gestores se mobilizem para quitar as dívidas.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe