CVT de Santa Quitéria aguarda Centec para montar a grade de cursos de 2017

Os Centros Vocacionais Tecnológicos (CVTs) foram implantados no Ceará na segunda metade da década de 1990, para atender pessoas de baixa renda com a oferta de cursos profissionalizantes gratuitos voltados para aqueles que pararam de estudar ou que concluíram o Ensino Médio regular e necessitavam de conhecimentos técnicos.
"O nosso objetivo era atender pessoas pobres. No Ceará existem cerca de três milhões de analfabetos funcionais, que precisam ter acesso ao conhecimento com cursos de capacitação tecnológica em linguagem apropriada para aprenderem algum ofício", disse Ariosto Holanda.
Logo se espalharam e chegaram a 38 cidades. O projeto tornou-se modelo para outros Estados. Duas décadas depois, essas unidades amargam queda no orçamento, deficiência nas estrutura física e redução na oferta de cursos.
Em 2016, o contrato de gestão do governo do Estado com o Instituto Centec, que mantém os CVTs, foi reduzido para R$ 15 milhões e, neste ano, cortado em 15%. Dos R$ 13,6 milhões mantidos para 2017, são destinados aos CVTs R$ 5 milhões; R$ 1,2 milhão para os três CVTECs, que mantêm cursos de nível técnico e R$ 3,3 milhões para as duas Faculdades de Tecnologia Centec (Fatec) de Juazeiro do Norte e Quixeramobim.
O corte de 15% foi determinado pelo governo do Estado para todas as Organizações Sociais (OS), segundo informou o titular da Secretaria de Ciência e Tecnologia (Secitece), Inácio Arruda. No própria Órgão, o corte foi de 25%.
O secretário informou que o governo tem uma compreensão de que o papel dos CVTs no Ceará já foi cumprido e que parte de suas atribuições foi absorvida pelas Escolas Estaduais de Educação Profissional (EEEP), com 116 já implantadas. Mais 15 estão programadas para este ano. As EEEP contam, em 2017, com orçamento de mais de R$ 70 milhões, até outubro. Dos 38 CVTs do Centec, dois não funcionam.
O CVT de Santa Quitéria aguarda determinação do Centec para montar a grade de cursos a serem oferecidos neste ano.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe