Aécio pediu R$ 15 milhões, diz delator

Em seu depoimento de quatro horas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o delator e ex-presidente da Odebrecht Marcelo Odebrecht relatou que o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, teria lhe pedido R$ 15 milhões no final do primeiro turno da campanha eleitoral de 2014. Ele disse que, inicialmente, negou o pedido do tucano afirmando que o valor era muito alto, mas que o senador teria sugerido como "alternativa" que os pagamentos fossem feitos a aliados políticos.
Após ser preso na Lava-Jato, contudo, Odebrecht disse ter sido informado que o aporte financeiro não se concretizou.
O valor bate com o que aponta a planilha e a troca de mensagens de Odebrecht apreendidos pela Lava-Jato e que mostram o repasse de R$ 15 milhões ao apelido "mineirinho" que, segundo o delator Claudio Melo Filho, era uma referência a Aécio. Odebrecht respondeu sobre o tucano quando questionado pela defesa da presidente cassada Dilma Rousseff - de acordo com os advogados, questionar doações para o PSDB fazia parte da estratégia da petista. Ao todo, o PSDB recebeu R$ 15 milhões da Odebrecht em doações eleitorais em 2014. O empreiteiro contou que se encontrou várias vezes com o tucano, e que Aécio sempre pediu dinheiro para campanhas.
Ele também citou doações ao ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morto em acidente aéreo, e Marina Silva (Rede), mas não entrou em detalhes sobre valores. Marina negou ter recebido doações ilegais.
O PSDB emitiu ontem uma nota para defender a legalidade da doação, afirmando que o valor de R$ 15 milhões foi doado oficialmente pelo grupo e que as doações foram declaradas à Justiça Eleitoral. Já a assessoria de Aécio Neves disse que ele solicitou, como dirigente partidário "apoio para inúmeros candidatos de Minas e do Brasil a diversos empresários, sempre de acordo com a lei".

Andrade Gutierrez
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou que Aécio preste esclarecimentos sobre as doações feitas pela empresa Andrade Gutierrez à sua campanha presidencial em 2014.
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe