China, Chile e Egito retomam importações de carne brasileira

Três países - China, Chile e Egito - voltaram atrás de suas decisões de vetar as importações de carne brasileira, tomadas após a deflagração da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal. O governo brasileiro divulgou neste sábado (25) que a China decidiu suspender o embargo. O Chile e o Egito divulgaram comunicados sobre a retomada das importações brasileiras.
O presidente Michel Temer divulgou nota sobre a reabertura da China à carne brasileira. "A decisão do governo da China de reabrir o seu mercado à proteína animal produzida no Brasil é o reconhecimento da confiabilidade de nosso sistema de defesa agropecuária. Nosso país construiu grande reputação internacional neste segmento. E o posicionamento chinês é a confirmação de todo trabalho de esclarecimento levado a termo pelo governo brasileiro nestes últimos dias em todos os continentes", diz a nota.
O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse à reportagem que a mudança de posicionamento por parte da China é resultado de um esforço do governo ao longo da semana, quando passou horas em videoconferência com vários países para tentar minimizar o impacto da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal.
Segundo o ministro, apenas as unidades que o próprio Brasil suspendeu não poderão vender ao parceiro asiático, que foi no ano passado o segundo maior mercado de exportação para a carne brasileira, atrás da União Europeia, com compras que somaram US$ 1,75 bilhão.
Além disso, a China também bloqueará e recolherá os produtos cujos certificados foram assinados por técnicos investigados na Operação Carne Fraca.

Chile
O governo chileno reviu sua decisão de suspender temporariamente a importação de "todo tipo de carne brasileira" (bovina, frango e porco) devido ao escândalo revelado pela Operação Carne Fraca. Agora, o veto será restrito somente aos 21 estabelecimentos que tiveram a licença de exportação suspensa pelo governo brasileiro.
Conforme o comunicado divulgado neste sábado (25) pelo SAG (Serviço Agrícola e Pecuário do Chile), a restrição será estendida preventivamente a qualquer outro frigorífico que estiver envolvido em irregularidades durante as investigação em curso pelas autoridades brasileiras.
Ainda segundo a nota, a mudança de postura se deve aos documentos recebidos em resposta a questionamentos do SAG ao Ministério da Agricultura brasileiro. O fim do embargo a toda a carne brasileira foi ratificado também pela delegação chilena enviada ao Brasil para obter mais detalhes sobre a Operação Carne Fraca.
"O SAG, junto ao Ministério da Saúde chileno, continuam reforçando as medidas de vigilância e fiscalização, tanto na fronteira para o ingresso de produtos pecuários, como nos pontos de comercialização, com o objetivo de garantir a saúde e a segurança dos alimentos consumidos no país."
Segundo dados da Associação Chilena de Carne (ACHIC), 33,5% da carne bovina importada pelo país vem do Brasil.

Egito
O Ministério da Agricultura do Egito também anunciou neste sábado (25) a retomada das importações de frigoríficos aprovados pelas autoridades brasileiras. O país é o sétimo maior mercado para a carne brasileira.
Em comunicado, o ministério informou que as importações de carnes brasileiras estão sujeitas a fiscalização redobrada no país de origem e na chegada.

Folhapress
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe