IBGE: Quase 75% das crianças com menos de quatro anos não vão à creche

Quase 75% de crianças brasileiras com menos de quatro anos de idade não vão à creche. São 7,7 milhões nessa situação de um total de 10,3 milhões, de acordo com pesquisa inédita do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) com base em dados do Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) 2015.
Os dados da pesquisa mostram que, das 10,3 milhões de crianças, 84,4% (8,7 milhões) normalmente permaneciam, de segunda a sexta-feira, de manhã e de tarde, no mesmo local e com a mesma pessoa. Desse total, 74,5% ficam em suas próprias casas sob os cuidados de um de seus responsáveis. Já 16,6% das crianças passam a manhã e a tarde em creches ou escolas.
De acordo com o instituto, quanto mais nova a criança, maior era o percentual de permanência no mesmo lugar e com a mesma pessoa ao longo do dia. O levantamento ainda aponta que a proporção de crianças matriculadas em creches está bem abaixo da meta estipulada pelo governo no Plano Nacional de Educação, que é atender, no mínimo, 50% das crianças de até três anos.
A pesquisa aponta que as crianças que não vão à creche são mais pobres. Para os menores de quatro anos que permaneciam, de segunda a sexta, de manhã e de tarde, no local onde moram, o rendimento médio mensal domiciliar (R$ 550) representava 56,6% daquelas que frequentavam creche ou escola (R$ 972) em 2015.
Entre os responsáveis pelas que estavam fora da creche ou escola, 61,8% tinham interesse em conseguir uma vaga (4,7 milhões). 43,2% (2,1 milhões) deles tomaram alguma ação ou providência para conseguir uma vaga.
Entre os mais ricos, a proporção era menor - nas classes de rendimento médio domiciliar per capita mais altas, chegando a 54,4% naquela de 3 salários mínimos ou mais. Já na classe sem rendimento a menos de 25% do salário mínimo, essa proporção era de 61,5%.
Quanto mais velha a criança, maior era o interesse por vaga em creche ou escola. Enquanto para 49,1% das crianças de menos de um ano havia essa interesse, para aquelas de três anos, a proporção alcançava 78,6%.
Também havia variações regionais. Na região Norte, esse percentual era de 26,4%, enquanto na Sul, chegava a 57,3%.

Mulheres cuidam
Para 83,8% (8,6 milhões) das crianças com menos de quatro anos, a principal pessoa responsável era do sexo feminino. A maior parte dos responsáveis pela criança trabalhava na semana em que a pesquisa foi feita 52,1%. Quando essa pessoa era mulher, a proporção era para 45%; entre os homens, a estimativa era de 89%.
As crianças com menos de quatro anos (10,3 milhões) representavam 5,1% da população e estavam presentes em 13,7% (9,2 milhões) dos domicílios. Em geral, o rendimento médio domiciliar per capita também era menor nos domicílios com crianças de menos de quatro anos.

Folhapress
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe