Terceirização votada na Câmara tem 3 itens pró-trabalhador; Senado tem 50

A movimentação da base de Michel Temer para regulamentar a terceirização no Brasil tem como base dois projetos que, embora tratem do mesmo tema, são consideravelmente distintos ao listar salvaguardas aos trabalhadores.

1º projeto, de 1998, tem três salvaguardas aos trabalhadores
A Câmara aprovou na última quarta (23) e enviou à sanção de Temer um texto de 1998 que cabe em quatro páginas e que traz apenas três salvaguardas genéricas aos trabalhadores terceirizados. São elas:
  • funcionários terceirizados não poderão realizar serviços diferentes daqueles para os quais foram contratados;
  • terceirizados terão as mesmas condições de segurança, higiene e salubridade dos empregados da "empresa-mãe"; 
  • terceirizados estarão abrangidos nas regras da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) sobre fiscalização.

2º projeto, de 2015, tem 50 salvaguardas aos empregados
Já o projeto de regulamentação da terceirização debatido em 2015 e que hoje tramita no Senado tem 16 páginas e ao menos 50 salvaguardas aos empregados terceirizados - número que irá aumentar de acordo com relator, o senador de oposição Paulo Paim (PT-RS).  Entre as 50 salvaguardas desse projeto estão, além das três aprovadas no projeto da Câmara:
  • restrições para evitar que as empresas demitam seus funcionários e os recontratem na sequência como terceirizados (a proposta é que haja intervalo de 12 meses);
  • obrigatoriedade de a "empresa-mãe" fiscalizar se a terceirizadora está cumprindo suas obrigações trabalhistas e previdenciárias;
  • garantia ao terceirizados dos mesmos serviços de alimentação, transporte e atendimento médico dos contratados diretamente;
  • estabelece que a empresa-mãe e a terceirizadora têm responsabilidade "solidária" em eventuais débitos com o trabalhador;
  • outra diferença é que o projeto de 2015 obriga o recolhimento antecipado de impostos e a retenção de valores.

Manobra na Câmara e promessa de votação no Senado nos próximos dias
O texto aprovado pelo plenário da Câmara nesta quarta havia passado em uma primeira votação na Câmara em 2000. Em 2002, o Senado também o aprovou, com modificações. Na época, apenas 12 dos atuais 81 senadores estavam no exercício do mandato. Com isso, o texto voltou para a Câmara para a palavra final. Só que ele ficou engavetado por 15 anos sem votação no plenário, em um "limbo legislativo" em que dormitam projetos que não se enquadram nos critérios de arquivamento automático ao fim de cada legislatura (os já aprovados pelo Senado estão nessa categoria).
Como a atual composição do Senado vinha resistindo a aprovar o projeto de terceirização de 2015, aquele com as pelo menos 50 salvaguardas aos trabalhadores, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), desengavetou o texto de 1998. Isso porque bastava apenas a nova votação dos deputados para ele seguir para a sanção de Temer.
Nesta quinta, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou que a Casa deverá votar nos próximos dias o projeto de 2015, dando a Temer a possibilidade de selecionar, nos dois textos, o que pretende sancionar ou vetar.

Folhapress
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe