Tiroteio no Parlamento britânico deixa ao menos 12 pessoas feridas

O tiroteio no Parlamento britânico nesta quarta-feira (22) deixou, até às 15h do horário de Brasília, pelo menos quatro mortos e 20 feridos. A informação é do jornal britânico The Guardian. Entre os mortos, está um policial esfaqueado pelo suspeito.
O agressor, que foi baleado por policiais, teria avançado o carro contra pedestres enquanto dirigia pela Ponte de Westminster, próxima à Casa legislativa. Segundo a polícia, o agressor, depois de avançar contra várias pessoas, saiu do veículo e esfaqueou um policial, que morreu.

Terrorismo
A ação está sendo tratada pelas autoridades britânicas como um ato terrorista. Segundo o líder da Câmara dos Comuns, David Lidington, o homem suspeito de ter esfaqueado o policial foi baleado na sequência. Orientada pelas forças de segurança, a Câmara dos Comuns encerrou suas atividades e legisladores foram mantidos dentro da Casa.

Primeira-ministra é retirada do Parlamento após atentado
Quarta-feira é o dia da tradicional sessão em que a primeira-ministra responde a questionamentos dos membros do Parlamento. O porta-voz da primeira-ministra, Theresa May, disse que ela está bem, mas não informou a localização de May no momento do ataque. Ela foi retirada do Parlamento, segundo o jornal "The Guardian", por ao menos oito homens armados minutos após o incidente.
Testemunhas afirmam que um grande número de policiais armados chegaram ao Parlamento, alguns deles carregando escudos.
Imagens da ponte - um ponto em que turistas se aglomeram para fotografar a icônica torre do Big Ben - mostravam diversas pessoas ao chão recebendo socorro. Todos os acessos ao metrô nos arredores do Parlamento e da ponte foram fechados. 

Bruxelas
Os ataques coincidem com o aniversário de um ano dos atentados a Bruxelas, que deixaram 32 mortos em 2016. O Reino Unido foi alvo de ataques em maio de 2013, quando dois homens esfaquearam o soldado Lee Rigby em uma rua no sudeste da capital.
Em julho de 2005, quatro terroristas mataram 52 pessoas em atentados suicida no sistema de transporte, o pior ataque sofrido por Londres em tempos de paz.

Folhapress/AFP
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe